Covid-19

Com 14 vezes mais casos e 12 vezes mais mortos, Trump aponta o dedo para o Brasil

Presidente do EUA avalia testar passageiros de voos que chegam do Brasil àquele País

acessibilidade:
No início de março, ele impôs restrições de viagem a pessoas vindas da Europa Foto: Alan Santos/PR.

Apesar de os Estados Unidos registrarem 1,035 milhão de casos confirmados de coronavírus, número quase 15 vezes maior que os 71.886 infectados brasileiros, e principalmente com número de mortos (58.964) quase 12 vezes maior, o presidente Donald Trump resolveu apontar o dedo para o Brasil, disse nessa terça-feira (28), afirmando que considera incluir voos provenientes do Brasil entre aqueles cujos passageiros serão testados.

“Estamos estudando fazer isso para voos internacionais procedentes de áreas que estão altamente infectadas”, disse Trump em evento na Casa Branca.

Ele afirmou que o governo norte-americano está trabalhando com companhias aéreas em relação ao plano, que pode entrar em vigor “em um futuro muito próximo”.

Segundo Trump, o Brasil é um dos países que “está entrando na categoria” de polo do vírus.

Mais cedo neste ano, passageiros provenientes da China foram testados nos aeroportos norte-americanos após o pouso, em uma tentativa de desaceleração do avanço do novo coronavírus. Apenas alguns deles foram colocados em quarentena.

“Eu fiz isso com a China, eu fiz com a Europa – é uma coisa muito importante de se fazer. É certamente uma coisa muito importante de se fazer com a Flórida, porque você tem muitos negócios com a América do Sul”, disse Trump.

Reportar Erro