Controle do crime

Presidente do Equador declara estado de exceção em parte do país

Daniel Noboa impôs a medida para permitir mais intensificação das forças de segurança contra o aumento da criminalidade

acessibilidade:
Presidente do Equador, Daniel Noboa

O presidente do Equador, Daniel Noboa, declarou nesta quarta-feira (22) um novo estado de exceção em 7 das 24 províncias do país. 

Em vídeo publicado no X, ele justificou a ação com a alta na criminalidade nesses locais.

“Em 9 de janeiro, quando declaramos guerra aos grupos terroristas, estávamos em um caos generalizado”, disse, referindo-se ao momento em que decretou estado de exceção em todo o país e, pouco depois, o estado de conflito armado interno. “Em 5 meses, conseguimos devolver a paz aos equatorianos”, acrescentou. “Hoje, nos encontramos em uma 2° etapa da guerra”, completou.

De acordo com Noboa, as facções criminosas recuaram para sete províncias: Los Ríos, Guayas, Santa Elea, Manabi, El Oro, Sucumbios e Orellana, e também para uma parte da Província de Azuay, em resposta à ofensiva governamental.

“Não vamos perder o que conquistamos”, declarou o presidente . Ele justificou o estado de exceção como necessário nas províncias que mais precisam da atuação livre das Forças Armadas e da Polícia Nacional.

Essa medida será aplicada por 60 dias  e vai permitir que as forças de segurança entrem em residências e interceptam correspondências sem necessidade de autorização prévia.

Noboa tomou posse em novembro do ano passado, para um “mandato tampão” de 1 ano e meio. O pleito que o elegeu deveria ter sido realizado em 2025, mas foi antecipado depois que o então presidente do Equador, Guillermo Lasso, usou a cláusula constitucional conhecida como “morte cruzada” para dissolver a Assembleia Nacional, em maio, depois de passar por um processo de impeachment. Lasso não disputou as eleições.

Sua plataforma política tem como foco principal a reforma do sistema prisional e judicial do Equador. Ele defende a formação de policiais em técnicas de resolução pacífica de conflitos e o desenvolvimento de programas de reabilitação para presos a fim de reduzir as taxas de reincidência.