Castelanazo

Costa Rica bate o Uruguai em Fortaleza na 1ª zebra da Copa

Com atuação brilhante de Campbell, Costa Rica colocou a celeste na roda

acessibilidade:

O Uruguai protagonizou a primeira “zebra” desta Copa do Mundo, neste sábado, ao ser superado pelo modesto time da Costa Rica, de virada, pelo placar de 3 a 1, na Arena Castelão, em Fortaleza. Sem Luis Suárez, ainda se recuperando de lesão, a seleção sul-americana esteve aquém do esperado. Saiu na frente com gol de pênalti, mas cedeu espaços ao rival e levou a virada no segundo tempo.

O inesperado resultado deve alterar completamente as expectativas para os confrontos do equilibrado Grupo D, o chamado “grupo da morte”. Considerado o time azarão desta chave, que tem três campeões mundiais, a Costa Rica desponta com três pontos. E aguarda o confronto entre Inglaterra e Itália, ainda neste sábado, para conhecer a sua posição na chave.

O Uruguai, por sua vez, se colocou em situação complicada na tabela de classificação. Além de ficar sem pontuar, ainda apresenta saldo de gols negativo, em razão dos três gols sofridos. O time precisará vencer as duas próximas partidas, contra ingleses e italianos, para avançar às oitavas de final.

Os uruguaios chegaram à Copa como uma das apostas para ir longe na disputa, com base nos recentes resultados. O time é o atual campeão da Copa América e quarto colocado da Copa das Confederações do ano passado e do Mundial de 2010, na África do Sul. Além disso, conta com um dos maiores artilheiros da Europa na última temporada. Luis Suárez deve fazer sua estreia na segunda rodada, na tentativa de evitar um fiasco uruguaio no Brasil.

O JOGO – Em sua missão menos difícil no duro Grupo D, o Uruguai precisou de poucos minutos para dominar a Costa Rica e parecia fadada a uma vitória tranquila na Arena Castelão. Mas não foi o que aconteceu no primeiro tempo. Apesar do domínio inicial uruguaio, foi a seleção da América Central quem buscou o ataque com mais perigo na primeira metade do tempo. Foram duas chegadas que exigiram trabalho da defesa comandada pelo veterano Lugano.

Depois dos sustos, o Uruguai foi para cima da defesa rival e Godin mandou para as redes. O lance, contudo, foi anulado por impedimento, marcado corretamente pelo assistente. O gol só surgiu em uma falha de marcação dos costarriquenhos. Em um levantamento na área, o lateral Díaz abraçou Lugano e o árbitro marcou o pênalti. Na cobrança, Cavani bateu no canto esquerdo de Navas e abriu o placar, aos 23 minutos.

A partir daí, o Uruguai esqueceu o ataque e viu a Costa Rica crescer em campo. Recuado, esperava o rival, como se o adversário fosse o favorito em campo. A postura quase custou caro aos uruguaios. Aos 26 minutos, Campbell arriscou de longe e quase surpreendeu Muslera. Quatro minutos depois, Gonzalez aproveitou sobra na pequena área e quase empatou.

Mesmo com um time mais modesto, a Costa Rica registrava até 53% de posse de bola e jogava no campo de ataque, fechando os espaços do Uruguai. Só não empatou porque tinha pouca qualidade nas finalizações.

A equipe uruguaia voltou a figurar no ataque somente nos instantes finais da etapa inicial. Forlán, apagado, levou perigo em finalização de fora da área, aos 43 minutos. Ele quase encobriu Navas ao contar com um desvio da zaga em chute que ia longe. Navas fez grande defesa e evitou o segundo gol dos uruguaios.

O intervalo não alterou o panorama da partida e a Costa Rica seguia melhor no segundo tempo. Mais presente no ataque, chegou finalmente ao empate aos 9 minutos em grande troca de passes que culminou em finalização de Campbell. O atacante dominou no peito dentro da área e encheu o pé para mandar para as redes.

Dois minutos depois, a Costa Rica silenciou a torcida uruguaia ao cravar a virada no placar. Após cobrança de falta na área, Duarte surgiu na segunda trave e escorou de cabeça para o gol. Embalado, o time costarriquenho ainda teve boas chances de ampliar a vantagem em finalizações de Campbell, aos 18, e Borges, aos 21.

Foi só depois destes novos sustos que o Uruguai finalmente partiu para o ataque, na tentativa de impor pressão ao rival. Mas quase não ameaçou o gol de Navas. Sem Luis Suárez, o ataque uruguaio era inoperante. Cavani parava com frequência no impedimento e Stuani tinha desempenho discreto.

A Costa Rica adotou a mesma postura do Uruguai no primeiro tempo Segurou-se na retranca e passou a jogar no contra-ataque. E, assim, buscou o surpreendente terceiro gol aos 39 minutos. Campbell deu grande enfiada para Ureña, que acabara de entrar, bater na saída de Muslera, selando resultado histórico da Costa Rica em uma Copa do Mundo.

Antes do apito final, o Uruguai perdeu o lateral-direito Maxi Pereira, expulso por fazer falta violenta em Campbell. O jogador já é baixa garantida para a segunda rodada do Grupo D, quando os uruguaios tentarão se recuperar diante da Inglaterra, outra campeã mundial, na próxima quinta-feira, no estádio Itaquerão, em São Paulo. A Costa Rica vai duelar contra a Itália no dia seguinte, no Recife.

FICHA TÉCNICA

URUGUAI 1 x 3 COSTA RICA

URUGUAI – Muslera; Maxi Pereira, Lugano, Godin e Cáceres; Arévalo Rios, Gargano (Alvaro Gonzalez), Cristian Rodríguez (Abel Hernández) e Forlán (Lodeiro); Stuani e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez.

COSTA RICA – Keylor Navas; Umana, Oscar Duarte e Giancarlo González; Cristian Gamboa, Yeltsin Tejeda (Cubero), Celso Borges, Christian Bolaños (Barrantes) e Junior Díaz; Bryan Ruiz (Marco Ureña) e Campbell. Técnico: Jorge Luis Pinto.

GOLS – Cavani (pênalti), aos 23 minutos do primeiro tempo; Campbell, aos 9, Duarte, aos 11, e Ureña, aos 39 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Lugano, Gargano e Cáceres (Uruguai).

CARTÃO VERMELHO – Maxi Pereira (Uruguai).

ÁRBITRO – Felix Brych (Fifa/Alemanha).

RENDA – Não disponível.

PÚBLICO – 58.679 presentes.

LOCAL – Arena Castelão, em Fortaleza (CE).

Reportar Erro