Triste memória

Candidato adotivo no DF quer ‘retomar’ para o PT governo marcado por escândalos

Casos de corrupção levaram à prisão auxiliares e o próprio Agnelo

acessibilidade:
Ex-governador Agnelo Queiroz, acusado de chefiar um governo corrupto, e Gras, o petista "adotivo".

Após comandar uma das administrações mais corruptas da história recente do Distrito Federal, sob chefia de Agnelo Queiroz, o PT tenta “retomar” o governo do DF por meio de um candidato adotivo.

O deputado Leandro Gras é filiado ao PV, mas ganhou apoio do partido de Lula pela falta absoluta de nomes com envergadura ou ficha limpa suficientes para disputar o governo do DF.

A palavra de ordem -“retomar” – tem sido reproduzida nos primeiros anúncios do candidato adotivo no horário obrigatório de rádio e TV.

A pregação causa certa apreensão, tendo em vista o histórico de escândalos de corrupção do antigo governo petista, mas o fato de Gras oscilar nas pesquisas entre o terceiro e quarto lugares causa ao mesmo tempo um certo alívio.

Na esteira de vários escândalos de corrupção, na construção do Estádio Mané Garrincha ou do Centro Administrativo (Centrad), até hoje embargado, vários integrantes do governo do PT no DF, incluindo o próprio Agnelo Queiroz, acabaram alvos de operações da Polícia Federal e até de prisão.

Condenado por improbidade administrativa, o ex-governador ainda não sabe ao certo se conseguirá manter sua candidatura a deputado federal pelo PT, em razão de decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) que não endossou a tese que resultaria em uma espécie de “anistia” a políticos na sua condição.

Reportar Erro