Mais Lidas

Economia

Prévia da inflação oficial do país desacelera de 1,11% para 0,64% em julho

Apesar do alívio registrado ante junho, IPCA-15 registra a maior taxa para um mês de julho desde 2004

acessibilidade:
Apesar do recuo, o risco país do Brasil continua mais alto que o de outros países latino-americanos. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

O IPCA-15, prévia da inflação oficial do país, registrou uma desaceleração no mês de julho. Depois de chegar ao 1,11% em junho, impulsionado pela greve dos caminhoneiros, o indicador baixou 0,47 ponto percentual em relação ao último mês, registrando 0,64%.

Apesar do alívio em relação ao resultado do mês de junho, o IPCA-15 de julho deste ano é o maior para o mês desde 2004, quando fechou em 0,93%. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, quando foi observada uma deflação de 0,18%. o indicador também apresenta alta.

No ano, a prévia da inflação acumula alta de 3%, e em 12 meses, o acumulado é de 4,53%, de acordo com os dados divulgados nesta sexta (20) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo de alimentos foi um dos setores que apresentou queda em julho, de 1,57% registrado em junho para 0,61%. A alta no mês anterior foi reflexo da crise no abastecimento de alimentos causada pela greve dos caminhoneiros, deflagrada no fim de maio. Em junho, houve o realinhamento nos preços médios de itens alimentícios.

Os combustíveis, que haviam tido alta de 5,94% em junho, também apresentaram deflação no resultado registrado em julho. A queda de 0,57% foi resultado da diminuição nos preços do óleo diesel (6,29%), etanol (0,78%) e gasolina (0,37%).

Em contrapartida, o aumento médio de 6,77% no custo da energia elétrica no país impulsionou o resultado registrado pelo IPCA-15. O custo com habitação também subiu, em 1,99%, puxado por aumentos de preço do gás de botijão (1,36%), gás encanado (1,24%) e tarifa de esgoto (1,27%).

O setor de transportes também registrou alta nos preços, de 0,79%. A inflação foi influenciada pelo aumento de 45,05% no preço das passagens aéreas. (Com informações da FolhaPress e Agência Brasil)

Reportar Erro