Mais Lidas

Surtou de vez

Peugeot parece desistir de vender no Brasil, ao cobrar quase R$ 100 mil no novo 208

O modelo, completamente reformulado, conta apenas com motor aspirado de 118 cavalos

acessibilidade:
Peugeot 208 2021. Fotos: Peugeot.

De um tempo para cá, a Peugeot vem batalhando para desfazer a imagem de marca que tem perante o brasileiro. Para isso, a montadora criou um programa de qualidades, com o intuito de mostrar que os produtos merecem uma chance. Mas qualquer esforço vai “por água abaixo” com a apresentação do novo 208 e seu surreal preço. 

O hatch compacto, que chega a segunda geração completamente renovado, está disponível nas concessionárias da marca a partir desta terça-feira (8/9) em quatro configurações, sempre com motor aspirado (primeiro erro) e com a topo de linha quase chegando a insanos R$ 100 mil. A francesa ainda trará o e-208, versão elétrica do modelo, mas que chega só em 2021 e não teve maiores detalhes revelados. 

O modelo chega ao Brasil apenas com motor aspirado.

Em um momento no qual as montadoras estão apostando — principalmente em SUVs — em veículos com motores turbinados, inclusive entre os hatches compactos, parece que a Peugeot não quer vender o novo 208 no Brasil, ao apostar em um propulsor ultrapassado e exagerando consideravelmente nos valores do modelo.

Nada justifica uma marca pedir R$ 95 mil em um hatch compacto — talvez se esse fosse o valor do elétrico, estaríamos aqui batendo palmas para a Peugeot, mas não é o caso, é um simples hatch compacto com motor aspirado de 116 cavalos. Beira o ridículo e mostra que ainda vai ser preciso muito trabalho para mudar a percepção que o brasileiro tem da marca. 

Arrebatador

O desenho do novo 208 ficou ainda mais agressivo.

O único alento, e que não justifica 1% o valor do modelo, é o visual diferenciado do 208. O modelo, apresentado ano passado na Europa, foi completamente reformulado e manteve um destaque da família 8, visual ousado e totalmente fora do padrão da indústria. 

É difícil dizer o que mais chama a atenção na dianteira, se é a gigantesca grade ou os “dentes de sabre” da luz de circulação diurna em LED, que acompanham os faróis, também em LED (mas esses apenas na topo de linha). Você pode até não achar bonito, até porque gosto é algo muito individual, mas que o estilo do 208 é arrebatador, ele é. 

O interior remete a cabine do SUV médio da marca, o 3008.

A traseira chama quase tanta atenção quanto a dianteira. As lanternas, em LED na topo de linha, são interligadas por uma faixa em black piano. No centro dela, vai a o nome da marca escrito, logo abaixo do leão, o símbolo da Peugeot. 

O interior recebe o desenho lançado pelo 3008, com pequenas diferenças. Destaque para o volante de base dupla achatada, os botões estilo piano no painel e a tela da central multimídia voltada para o motorista no estilo cockpit. O painel de instrumentos é um caso à parte. Ele pode ser muito sem graça nas opções de entrada e completamente tecnológico da intermediária para cima. 

As versões

Por enquanto, quatro configurações em três versões.

Até agora, só falamos do preço da configuração topo de linha, a Griffe. Como outros modelos da marca, os nomes são os mesmo. Assim, a de entrada é a Active e a intermediária a Allure. O problema é que, mesmo elas, estão surrealmente caras.

Além disso, todas as configurações são equipadas com o mesmo conjunto motor, o ultrapassado 1.6 de 118 cavalos e 15,3kgfm de torque, aliado a um câmbio automático de seis velocidades e direção elétrica. Pelo menos a Peugeot não está pedindo “rios de dinheiro” em um veículo com transmissão manual.  

O painel de instrumentos da Active é totalmente sem graça.

A Active parte de salgados R$ 74.990. E, mesmo custando o preço de versões topo de linha de alguns concorrentes, ela não tem absolutamente nada demais. É equipada apenas com o básico (leia-se ar-condicionado manual e vidros e travas elétricas), nem sensor de estacionamento tem. O único destaque é a luz de circulação diurna em LED.

Em sequência, vem a Active Pack, por ridículos R$ 82.490 que acrescenta teto solar panorâmico, ar-condicionado digital e câmera de ré, apenas isso por R$ 7.500 a mais. Simplesmente não justifica o alto valor, já que ela continua sem outros itens, como sensor de estacionamento.

Conjunto óptico em LED apenas na topo de linha.

A intermediária é a Allure. Ela sai por insanos R$ 89.490. Nela, a lista de equipamentos melhora, apesar de ainda não justificar o preço. Ela conta com airbags de cortina, carregamento sem fio para smartphone, bancos em couro, painel de instrumentos digital, chave sensorial para abertura das portas e partida do motor e o ar-condicionado passa a ser automático também. 

Por fim, a surreal Griffe e seus R$ 94.990. Ela ganha os faróis full LED, sensores de chuva, crepuscular e de estacionamento, alerta de colisão com assistente de frenagem e auxiliar de farol alto. Ele tem também sistema de reconhecimento de placas de velocidade, câmera 180º e auxiliar de permanência em faixa, únicos diferenciais da categoria. 

Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021.
Peugeot 208 2021. Fotos: Peugeot.

Reportar Erro