Teste da Vez

Chevrolet Bolt EV mostra que o presente já é elétrico, mas cobra caro por isso

Testamos o eletrificado que “não polui”, mas peca em alguns pontos da lista de equipamentos

acessibilidade:
Chevrolet Bolt EV. Fotos: Geison Guedes/DP.

Praticamente todas as montadoras mundo afora estão focando na eletrificação de suas linhas. Algumas, como a Chevrolet, já foram além e determinaram uma data para ter apenas veículos elétricos. No caso da americana, o ano “escolhido” é o de 2035, ou seja, daqui há 14 anos. 

Pode até parecer pouco — para realizar toda uma revolução industrial –, mas com a velocidade com que a indústria no geral, e a automotiva especificamente, está evoluindo, é um período até razoável. Mas o objetivo parece ser ainda mais distante ao analisar que, nos Estados Unidos, de 15 modelos da linha atual da GM, apenas o Bolt EV é elétrico. 

O visual interno é mais ousado que o externo.

Se o caminho a ser percorrido por lá parece ser longo, por aqui não é diferente. O crossover — o modelo é uma fusão entre um hatch e um monovolume — foi anunciado no Brasil durante o Salão do Automóvel de São Paulo de 2018, teve a pré-venda iniciada no fim de 2019, chegando ao país no início de 2020 e comercializado continuamente desde então. 

O elétrico é o nosso “Teste da Vez”. O modelo que, como todo eletrificado, tem alta capacidade de aceleração, peca na lista de equipamentos (para o valor do veículo) e, como todo e qualquer carro no país, está muito mais caro do que deveria. Por aqui, o Bolt EV está custando insanos R$ 274 mil, R$ 100 mil a mais de quando foi anunciado em 2018. 

Sobriedade

O modelo é uma mistura de hatch com monovolume, ou seja, um crossover.

Quando os primeiros veículos eletrificados começaram a surgir, as marcas pareciam precisar fazer um modelo com visual tirado de um filme trash de sify. Os primeiros eram verdadeiros atentados ao design automotivo. Com o tempo, as montadoras viram que essa ousadia mais afastava do que atraia os clientes e passaram a fazer carros elétricos “normais”. 

O Bolt já segue essa nova tendência, com estilo próprio, mas nada exagerado. A única coisa que indica que não se trata de um veículo à combustão é a grade frontal, que não é aberta, apenas uma peça elegantemente desenhada que completa o visual entre o para-choque, os faróis e o capô. 

A grande, fechada, conversa bem com as outras peças da dianteira.

O certo é que, durante o tempo em que testamos o Bolt, ele não chamou a devida atenção nas ruas, o que mostra que o visual não está exagerado. O fato da unidade ser branca também ajuda, já que é uma cor que pouco chama a atenção. 

Por dentro o elétrico tem um estilo mais ousado, principalmente por causa do vão livre na dianteira, o que passa um ar de maior amplitude. O destaque fica pelo painel de instrumentos digital. O acabamento gera uma certa controvérsia. Apesar de elegante, a peça em cinza é de um plástico duro de toque não muito agradável. 

O espaço na cabine, mesmo atrás, é generoso.

O mesmo material é visto nas portas. Elas até contam com plástico macio ao toque, mas não nas áreas de maior contato, como nos puxadores. No mais, o acabamento é muito bem feito, sem qualquer tipo de rebarba ou peça mal encaixada e ele ainda conta com um filete de LED azul que envolve todo o painel, deixando a cabine ainda mais elegante a noite. 

Como o porte é de um hatch médio, ou de um monovolume, o espaço interno é muito bom. O Bolt leva quatro adultos grandes com facilidade e conforto. Um quinto sempre gera um pouco mais de aperto para quem vai atrás, mas pelo menos não tem o túnel central para apertar ainda mais. O porta-malas tem um bom tamanho também, levando 478 litros. 

Deveria ser melhor

A tela da central tem bom tamanho, mais de 10 polegadas.

A lista de equipamentos do Bolt manda muito bem em alguns aspectos e desliza em outros, principalmente para um veículo de quase R$ 300 mil, mesmo sendo elétrico. Ao mesmo tempo que ele tem 10 airbags (frontais, de joelho, laterais e de cortina), não conta com piloto automático adaptativo ou auxiliar de frenagem, este último até está presente, mas apenas para baixas velocidades. 

Ao passo que ele vem com abertura das portas e partida do motor com chave sensorial e ar-condicionado digital, o mesmo é de apenas uma zona e não tem saída para a traseira, os bancos não contam com ajustes elétricos e nada de teto solar. 

Tem porta USB na traseira mas não tem saída de ar.

Na parte da segurança, ele vem com básicos controles de tração e estabilidade, freios a disco nas quatro rodas, sensores de estacionamento traseiro, crepuscular e de chuva e monitoramento de pressão dos pneus. De, digamos, diferente, ele conta com câmera 360º e alertas de movimentação traseira, de permanência em faixa e de colisão frontal.

No que refere a comodidade, carregador sem fio para smartphones, quatro portas USB (sendo duas voltadas para a traseira), central multimídia com tela de 10,2 polegadas e conexão Android Auto e Apple CarPlay, sistema de som premium Bose, bancos e volante com aquecimento e partida remota pela chave. 

O grande diferencial

O grande diferencial, claro, é a motorização elétrica.

Claramente o grande destaque do Bolt EV é a motorização 100% elétrica. Para o modelo, a Chevrolet decidiu utilizar um sistema mais simples, com o propulsor na dianteira (algumas marcas usam a caixa de força eletrificada diretamente em um ou nos dois eixos). Com isso, o americano tem tração dianteira, como a maioria dos veículos à combustão. 

Quem não está acostumado com este tipo de veículo, no primeiro contato estranha a completa falta de som. O motor é totalmente silencioso, mesmo ligado e, não fosse o aviso no painel que ele está em funcionamento, não teria como saber se o carro foi ligado ou não. 

A opção “L” ativa o modo pedal único para uma maior comodidade.

A falta de ruído gera dois pontos distintos. O positivo é que ele contribui para a diminuição da poluição sonora, já que é um veículo a menos emitindo excesso de som. O negativo é que, falta o ronco que os apaixonados por carros tanto gostam, principalmente na hora de “pisar fundo” no acelerador, ele continua quieto como se estivesse parado.

Falando em aceleração, é outro fator positivo. Como não há faixa de torque, a potência é toda despejada nas rodas de forma instantânea. Além disso, o Bolt tem excelentes 203 cavalos e 36,7kgfm de torque, o que faz as saídas serem feitas com extrema segurança. 

O motor vai na frente, na mesma posição de modelos à combustão.

Para o americano falta apenas uma retomada mais agressiva, presentes em outros elétricos. Ele faz a manobra com segurança também, mas não dá aquela “puxada forte” de médias para altas velocidades. Saídas e ultrapassagens são feitas com precisão. 

Um ponto interessante do Bolt é que, pela alavanca do câmbio, o motorista pode acionar o modo “único pedal” na posição “L”, comum em elétricos. Com ele, basta tirar o pé do acelerador para o veículo iniciar o processo de frenagem que, inclusive, ajuda a regenerar as baterias. No início pode ser meio estranho, pois dependendo do tanto que você tira o pé, ele freia mais forte, mas acostuma rapidamente. 

Carregamento e autonomia

A recarga, junto com o preço, é o maior porém do elétrico.

O grande porém de um carro elétrico, além do preço, é o tempo de recarga. Com o Bolt não é diferente. Ao pegarmos o modelo para testar, as baterias estavam totalmente cheias e indicavam uma autonomia de 419 quilômetros. 

Após 250 quilômetros rodados, elas apontavam 116, ou seja, uma totalidade de 367 quilômetros de autonomia, bem menos que a inicial. Mas o gasto de energia é como o de combustível, varia de acordo com o modo de conduzir o veículo. 

A autonomia ficou abaixo do que ele apontava inicialmente.

Ao conectar o carregador no veículo, ele aponta quando as baterias estarão totalmente cheias. Mas um detalhe, não é nada rápido. Em um Wallbox, os carregadores rápidos daqueles encontrados em shoppings e que podem ser instalados em casa, são cerca de nove horas para carregar 100%, isso com as baterias praticamente zeradas. 

Nos modelos super-rápidos, daqueles de rodovias, são necessárias pouco mais de duas horas para alcançar a carga total. Mas em cerca de 30 minutos, é possível ganhar 160 quilômetros de autonomia. Em uma tomada comum, é melhor nem tentar, são quase dois dias para recarregar totalmente. 

A opinião do Diário Motor

Chevrolet Bolt EV.

Ao analisar o Bolt EV apenas como um veículo, sem levar em conta o fato dele ser elétrico, faltam muitos itens, principalmente pelo alto valor pedido. Alguns, como teto solar e ajustes elétricos nos bancos podem até ser supérfluos, mas o piloto automático adaptativo e os alertas de ponto cego fazem falta de verdade e deveriam estar presentes no modelo. 

Como todo elétrico, o grande diferencial do Bolt é a direção, com acelerações potentes e seguras, sem falar na completa ausência de ruído, que até chega a incomodar na hora de “pisar fundo”, já que o carro acelera rapidamente sem emitir nenhum ronco. O tempo de recarga está dentro do padrão de outros modelos elétricos, até de mais caros. É um ponto que a indústria como um todo precisa resolver.

Entre as opções de elétricos, é uma boa opção.

Além disso, tem a questão de ele “não poluir” o meio ambiente. Como qualquer meio de produção, fabricar um veículo gera poluição, seja ele elétrico ou não. E tem a questão da energia, no Brasil ela vem de matriz limpa, mas na maioria dos países, não. Ou seja, por aqui ele só não poluirá ao rodar, o que, de certa forma, já é alguma coisa. 

O preço é algo a se levar em consideração também. O valor esbarra em SUV híbridos, que também contam com função elétrica, são mais completos e os queridinhos do momento. Se você realmente estiver querendo um carro elétrico, ele é uma boa escolha. Mas se não tiver essa preocupação, há opções melhores na faixa de preço. Pode valer a compra! Nota: 8,5.

Ficha técnica

Motor elétrico de 203 cavalos.

Motor: elétrico

Potência máxima: 203cv 

Torque máximo: 36,7kgfm 

Transmissão: automática 

Direção: elétrica

Suspensão: independente na dianteira e semi-independente na traseira

Freios: a disco nas quatro rodas

Porta-malas: 478 litros

Dimensões (A x L x C x EE): 1.595 x 1.765 x 4.165 x 2.600mm 

Preço: R$ 274 mil

Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV. Fotos: Geison Guedes/DP.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.
Chevrolet Bolt EV.