Fim da discriminação

Queiroga oficializa com secretários vacinação de 12 a 17 com comorbidades

Essa faixa de prioridade será incluída na aplicação de primeira dose

acessibilidade:
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou na noite desta terça (17) a decisão de incluir adolescentes de 12 aos 17 anos de idade no programa de vacinação contra Covid-19, com prioridade para aqueles que são portadores de comorbidades. Mas o Ministério da Saúde ainda não oficializou a medida.

De acordo com Queiroga, que divulgou a decisão em suas redes sociais, os adolescentes já serão incluídos na aplicação da primeira dose de vacinas.  O ministro informou que a decisão foi tomada em conjunto com secretários de Saúde de todo o País.

A medida consta em comunicado (foto) assinado pelo dirigente da pasta e pelos presidentes do Conass e Conasems, Carlos Eduardo Lula e Wilames Freire Bezerra, respectivamente.

Comunicado do Ministério da Saúde, Conass e Conasems inclui adolescentes ao calendário de vacinação. Foto: Reprodução

A decisão coincide com a denúncia da recusa sistemática do Ministério da Saúde de vacinar menores de 18 anos portadores de comorbidades, mesmo depois de a Anvisa, agência reguladora de vigilância sanitária, haver liberado a aplicação de vacinas da Pfizer em pessoas a partir dos 12 anos.

O Diário do Poder revelou, no último dia 21 de julho. o drama vivido por um filhos de Jack Corrêa, consultor muito conhecido e respeitado em Brasília. Guilherme, de 17 anos e seis meses, é portador de uma comorbidade grave e rara, a Síndrome de Snyder Robinson, e já poderia ter sido imunizado com vacina da Pfizer, já autorizada pela Anvisa, mas o Ministério da Saúde e o Programa Nacional de Imunização (PNI) não liberavam a aplicação.