Ações derreteram

Ações da Inframérica ‘derretem’, mas nada tem a ver com o coronavírus

Ações da empresa caíram 50% em um ano, muito antes da pandemia do Covid-19

acessibilidade:

O grupo argentino Corporacion America Airports, dono da Inframerica, vencedor da disputa bilionária para gerenciar os aeroportos de Brasília e Natal, fez o lançamento de suas ações na Bolsa de Valores de Nova York em fevereiro de 2018 por US$ 16,6 cada. Em junho de 2019, o valor da ação já havia despencado quase 50%. Ontem fechou valendo apenas US$ 1,7. Ou seja, quem investiu US$ 100 na oferta inicial dessas ações em 2018, acabou ontem o dia com praticamente US$ 10. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A CAAP/Inframerica tenta culpar o coronavírus pela desvalorização da empresa. Mas a ação perdeu quase 80% do valor antes do surto.

A Inframerica já havia decidido “devolver” a concessão do aeroporto de Natal ao governo federal. A desculpa: não faturaram como esperavam.

Entre 2014 e 2018, a Inframerica perdeu R$ 670 milhões em Natal. E a sua parceira no negócio era a Engevix, uma das estrelas da Lava Jato.

Reportar Erro