Redutor de renda

Destaques Dinheiro

Presidente vê imposto de renda como redutor de renda
12/05/2019

Bolsonaro diz que governo vai corrigir tabela do IR pela inflação em 2020

Redutor de renda

Bolsonaro diz que governo vai corrigir tabela do IR pela inflação em 2020

Presidente vê imposto de renda como redutor de renda

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (12) que o governo vai corrigir a tabela do imposto de renda do ano que vem pela inflação. “Hoje em dia o imposto de renda é um redutor de renda. Eu falei com o [ministro da Economia] Paulo Guedes que este ano, no mínimo temos que corrigir de acordo com a inflação, a tabela do ano que vem”, declarou Bolsonaro, em entrevista ao programa do jornalista Milton Neves, da Rádio Bandeirantes. Bolsonaro disse que passou a Guedes a orientação para que, “se possível”, também se amplie o limite de dedução que os contribuintes podem ter com gastos de educação e saúde. “É a orientação que eu dei para ele. Quero que ele cumpra. Orientação não é ordem, mas pelo menos corrigir o imposto de renda pela inflação, isso com certeza vai sair”, afirmou o presidente. Em um estudo de janeiro deste ano, o Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) calculou que, desde 1996, a defasagem média acumulada na tabela do imposto de renda é de 95,46%. “A não correção da Tabela do IR pelo índice de inflação faz com que o contribuinte pague mais imposto de renda do que pagava no ano anterior”, justificou o Sindifisco, em seu estudo. Na entrevista deste domingo, Bolsonaro tratou ainda da reforma da Previdência, principal prioridade da equipe econômica comandada por Guedes. Segundo ele, a mudança no sistema de aposentadorias é “a grande vacina” que o Brasil precisa no momento. Ainda na pauta econômica, Bolsonaro defendeu medidas na área de combustíveis. Após reafirmar que “não tem ingerência” na política de preços da Petrobras, o presidente defendeu que os usineiros possam vender etanol diretamente para os postos de gasolina, sem a necessidade de intermediação de uma distribuidora. Segundo Bolsonaro, isso pode diminuir o preço do litro do etanol em 20 centavos, aumentando a competitividade desse combustível em relação a gasolina. “Se agirmos com racionalidade, temos como buscar soluções para o nossos problemas”, concluiu o presidente. (Folhapress)
11/05/2019

Governo comemora abertura do mercado mexicano para o arroz brasileiro

Avanço nas exportações

Governo comemora abertura do mercado mexicano para o arroz brasileiro

Ministérios anunciaram a abertura para exportações brasileiras de arroz beneficiado

O governo federal divulgou neste sábado (11) nota conjunta assinada pelos ministérios das Relações Exteriores (MRE) e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para informar sobre a abertura do mercado mexicano para a compra de arroz brasileiro. “O governo brasileiro informa com satisfação que será aberto o mercado mexicano às exportações brasileiras de arroz beneficiado”, aponta a nota. Segundo a nota, a medida foi tomada após a aprovação recíproca dos requisitos fitossanitários para o arroz beneficiado do Brasil e o feijão do México, negociados coordenadamente pelas duas pastas. “A decisão reforça a posição do Brasil como um dos dez principais exportadores mundiais de arroz e representa um passo importante para a diversificação das relações comerciais com o México, país com mais de 120 milhões de habitantes, que importa cerca de 80% do arroz consumido no país”, ressalta o documento. (Agência Brasil)
09/05/2019

Braskem inicia paralisação fábricas e mineração, após afundar bairros de Maceió

Tragédia econômica

Braskem inicia paralisação fábricas e mineração, após afundar bairros de Maceió

Mineradora avalia impactos da suspensão em plantas em Alagoas e na Bahia

A Braskem comunicou na tarde desta quinta-feira (9) que iniciou o processo de paralisação da extração de sal-gema que provocou uma tragédia que atinge cerca de 30 mil alagoanos, após 44 anos de atividade de mineração sob uma região habitada em Maceió (AL). A decisão foi tomada um dia depois de a subsidiária da Odebrecht ser apontada como culpada por tremores de terra em 2018 e pelo afundamento de três bairros da capital alagoana, ao reativar uma falha geológica adormecida há milhões de anos, conforme laudo do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Na nota, a mineradora que levou os bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro à situação de calamidade também comunica a consequente paralisação das fábricas de cloro-soda e dicloretano localizadas no bairro do Pontal da Barra, na capital alagoana. E afirma que avalia impactos na planta de PVC em Marechal Deodoro (AL) e nas suas plantas do Polo de Camaçari, no Estado da Bahia, integradas na cadeia produtiva. “A empresa usará todos os padrões de segurança aplicáveis para esse processo”, garantiu a Braskem, que já teve suspensa pelo Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL) a distribuição de R$ 2,6 bilhões de lucros para seus acionistas, em resposta ao pedido de bloqueio de R$ 6,7 bilhões no seu patrimônio, formalizado pelo Ministério Público Estadual e Defensoria Pública de Alagoas. A Braskem reafirma que analisará os resultados dos estudos técnicos da CPRM, que teria colaborado com a identificação das causas e seguirá implementando ações emergenciais para segurança das vítimas, que sua atividade colocou em risco. Veja a nota completa: Nota à imprensa A Braskem iniciou o processo de paralisação da atividade de extração de sal e da consequente paralisação das fábricas de cloro-soda e dicloretano localizadas no bairro do Pontal da Barra em Maceió/AL. Além disso, a Companhia está avaliando os impactos na planta de PVC em Marechal Deodoro/AL e nas suas plantas do Polo de Camaçari/BA, uma vez que estão integradas na cadeia produtiva. A empresa usará todos os padrões de segurança aplicáveis para esse processo. Essa medida ocorre em função dos desdobramentos decorrentes da divulgação do Relatório n.1 pelo Serviço Geológico do Brasil – CPRM, que discorre sobre as causas dos eventos geológicos que afetaram o bairro do Pinheiro. A Companhia analisará os resultados apresentados bem como as medidas cabíveis a respeito do assunto. A Braskem vem colaborando com as autoridades na identificação das causas dos eventos com apoio de especialistas independentes. Tendo em vista o compromisso com a segurança das pessoas, a Braskem reafirma que continuará implementando as ações emergenciais na região e avaliará junto aos órgãos competentes a implementação de medidas adicionais. Braskem
24/04/2019

Aprovação da reforma na CCJ foi passo importante, diz presidente do BNDES

Crescimento da economia

Aprovação da reforma na CCJ foi passo importante, diz presidente do BNDES

Levy destaca, porém, necessidade de mais medidas para economia crescer

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, disse hoje (24) que a aprovação do parecer sobre a proposta de reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados foi um “passo importante” para o país. No entanto, outras medidas além da reforma são necessárias para o crescimento da economia, como a abertura de capital de atividades hoje exercidas por bancos públicos, ressaltou Levy. “Além da Reforma da Previdência, precisamos de outras coisas acontecendo, não só uma série de medidas de simplificação. Focar em algumas coisas-chave, abrir o capital eventualmente de algumas atividades [da Caixa Econômica Federal] como tem sido anunciado. O Banco do Brasil já fez isso no passado”, acrescentou. “É toda uma série de ações que demonstram uma visão de uma economia mais livre, uma economia em que as pessoas possam ter mais iniciativa, e os negócios possam crescer mais”, disse Levy, que fez palestra nesta quarta-feira no 10º Congresso de Fundos de Investimentos da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Aprovado na noite de ontem (23) na CCJ, o parecer do deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) pela admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19, que trata da reforma da Previdência, segue agora para a comissão especial criada para analisar o mérito do texto. A criação da comissão especial foi determinada nesta quarta-feira pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).do Rodrigo Maia (DEM-RJ), determinou a criação da comissão especial que vai analisar a Proposta de Emenda à Constituição da reforma da Previdência (PEC 6/19). (Agência Brasil)