Fraude nas eleições

Comissão de Ética abre processo contra Silvinei Vasques, ex-diretor da PRF

Conselho de Ética da Presidência vai investigar suposta irregularidade nas eleições do ano passado

acessibilidade:
Advogados de Silvinei Vasques pedem soltura alegando risco de envenamento contra o ex-diretor chefe da PRF. (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O Conselho de Ética da Presidência da República abriu  um processo de apuração ética contra o ex-diretor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques. Vai ser investigado pela comissão se o ex-diretor da PRF cometeu irregularidades na véspera do segundo turno das eleições de 2022 ao pedir voto em suas redes sociais para o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).  

O Código de Ètica da Presidência proíbe que servidores públicos usem da sua influência ou cargo para obter qualquer tipo de favorecimento. Para a Comissão de Ética da Presidência, há “indícios de materialidade” no caso.    

Silvinei Vasques foi exonerado do cargo em dezembro de 2022 e está preso desde o dia 9 de agosto acusado de interferência no segundo turno das eleições do ano passado. 

No dia 29 de outubro do ano passado, o ex-diretor da PRF publicou uma foto da bandeira do Brasil com a frase “Vote 22 – Bolsonaro Presidente” e excluiu o post no dia seguinte. 

Durante o dia do segundo turno das eleições a PRF fez centenas de operações nas estradas do país, com maior concentração no Nordeste, região em que o presidente Lula (PT) tinha a maioria dos votos. 

Reportar Erro