Nobel

Cientistas que ajudaram na vacina da covid-19 ganham Nobel de Medicina

O trabalho de pesquisa dos cientistas serviu de base para as vacinas da covid-19

acessibilidade:
Os prémios Nobel são dados anualmente a pessoas ou organizações que contribuíram de forma significativa nas áreas da química, física, literatura, paz, medicina e economia. (Foto: Redes Sociais)

O Comitê do Prêmio Nobel no Instituto Karolinska, em Estocolmo, na Suécia, anunciou nesta segunda-feira (2), os cientistas Katalin Karikó e Drew Weissman como ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia de 2023. A premiação se deve as “descobertas relacionadas às modificações nas bases nucleotídicas que permitiram o desenvolvimento das vacinas de mRNA contra a covid-19”, segundo o comitê organizador. 

Tanto Karikó quanto Weissman atuam na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Katlin Karikó nasceu na Hungria e se especializou em bioquímica e Drew Weissma nasceu nos Estados Unidos e estudou imunologia e microbiologia durante a formação. 

O trabalho de pesquisa dos cientistas serviu de base para as vacinas de mRNA, que fizeram a estreia mundial durante a pandemia de covid-19. 

“As descobertas dos dois laureados com o Prémio Nobel foram fundamentais para o desenvolvimento de vacinas eficazes de ARNm contra a covid-19 durante a pandemia que começou no início de 2020”, refere o comunicado sobre o Prémio Nobel da Medicina de 2023. “Através das suas descobertas inovadoras, que alteraram fundamentalmente a nossa compreensão da forma como o ARNm interage com o nosso sistema imunitário, os laureados contribuíram para a taxa sem precedentes de desenvolvimento de vacinas durante uma das maiores ameaças à saúde humana nos tempos modernos”, acrescenta-se. 

Reportar Erro