'Reuniões nebulosas'

Associação acusa Itamaraty de ‘desqualificar’ mulheres

Nota fala em “indignação”, “revolta” e “desânimo”.

acessibilidade:
Associação diz que só 18,75% dos promovidos são mulheres (Foto: Marcelo Camargo-AgBR).

A Associação de Mulheres Diplomatas do Brasil (AMDB) emitiu nota com duras críticas ao Itamaraty após lista de nomes com indicação de promoção na carreira. A baixa presença feminina entre os promovidos gerou, diz a nota, “indignação”, “revolta” e “desânimo”.

(A lista) sumariamente exclui as mulheres diplomatas, especialmente aquelas na parte inicial da carreira, onde se começaria a forjar o perfil de um Itamaraty mais diverso. Em um total de 64 nomes, irrisórios 18,75% de mulheres”, diz trecho do documento.

A associação diz que a nota é uma tentativa de encontrar apoio para as mulheres diplomatas excluídas “das nebulosas reuniões da cúpula do Itamaraty em que a presença masculina segue sendo a norma”.

“Ao desqualificar reiteradamente a competência das mulheres diplomatas e, dessa forma, recusar-se a seguir a orientação do governo federal no sentido de conduzir mais mulheres à gestão do estado, a chefia do Itamaraty reafirma sua tradição de uma elite masculina e branca”, finaliza o documento.

Reportar Erro