Mais Lidas

Entrevista no YouTube

Weintraub presta depoimento na PF sobre ataques ao STF durante entrevista

Ao chegar na PF, o ex-ministro da Educação afirmou que sempre falou a verdade

acessibilidade:
Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Para Moraes, Weintraub fez diversas afirmações falsas acerca da atuação do STF e das condutas relacionadas a um dos membros da Corte Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ao chegar na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, nesta sexta-feira (4), o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub falou com jornalistas e afirmou que sempre falou a verdade. “Várias vezes, ao longo desses três anos em que eu me tornei uma pessoa pública, as pessoas me taxaram como controverso, fui processado 178 vezes. Nunca tive um processo antes e ganhei absolutamente todos os processos porque eu sempre falei a verdade. Então assim, conhecereis a verdade, eu falo a verdade. Se aqui no Brasil, infelizmente, hoje, falar a verdade é ser polêmico, essa é a minha trilha, não vou fugir dela.”

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que Weintraub fosse ouvido por causa de afirmações que fez durante entrevista ao canal “Cortes de Inteligência”, do YouTube, no último dia 17.Na ocasião, o ex-ministro disse que um dos ministros do Supremo teria tentado comprar a casa dele, apesar do imóvel não estar à venda. “É adequado isso? Esse juiz me negou habeas corpus”, afirmou o canal.

Para Moraes, Weintraub fez diversas afirmações falsas acerca da atuação do STF e das condutas relacionadas a um dos membros da Corte. No entendimento do ministro, em uma primeira análise, é possível constatar que as condutas se assemelham às investigadas no âmbito do Inquérito que investiga fake news, ameaças e outros ataques tanto ao Supremo, como aos ministros. Moraes também determinou que o YouTube encaminhe o material à Corte.

Primeiramente, o depoimento estava marcado para o dia 31 de janeiro, mas o advogado de Weintraub estava em fase final de recuperação da covid-19.

Reportar Erro