Agentes querem o reajuste

Visitas a presídios são suspensas na quinta por paralisação

Visitas agendadas pela internet serão remarcadas, garante GDF

acessibilidade:

A visita a presidiários está suspensa nesta quinta-feira (24). O motivo é a paralisação de agentes penitenciários, que vão cruzar os braços por 24 horas. A categoria protesta contra a suspensão dos reajustes salariais concedidos pelo governo anterior. Outras categorias, como saúde e educação, também prometem parar amanhã. No total, 32 setores receberam o aumento e foram prejudicados com as medidas tomadas contra a crise financeira no DF.

As visitas agendadas pela internet serão remarcadas, garantiu a Secretaria de Justiça. São seis presídios no DF, com cerca de 14 mil detentos.

Crise

Na última semana, o governador Rodrigo Rollemberg anunciou um "pacote de medidas" para conter a crise. Entre elas, a suspensão dos reajustes, aumento das passagens de ônibus e de alguns impostos. As propostas não foram bem aceitas pela população, que já fez protestos contra os aumentos no transporte público.

Principais medidas do pacote:

– aumento nas tarifas de ônibus: valores passariam de R$ 1,50 para R$ 2,25; as de R$ 2 para R$ 3; as de R$ 2,50 para R$ 3; e as de R$ 3 para R$ 4.

– aumento na tarifa do metrô: valor passaria de R$ 3 para R$ 4 todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados.

– restaurante comunitário: refeição passaria de R$ 1 para R$ 3. Subsídio pago pelo governo atualmente é de R$ 5,71.

– Zoológico – ingresso passaria de R$ 2 para R$ 10.

– suspensão do reajuste do funcionalismo: reajuste foi concedido em 2014 pela gestão Agnelo Queiroz. Com a medida, a parcela do reajuste escalonado não será pago. Intenção é retomar pagamentos em 2016.

– corte nos salários do primeiro escalão : salários do governador, vice-governador, secretários e administradores regionais teriam redução de 20%.

-IPTU: reajuste de até 10% no valor venal a partir do ano que vem.

-ICMS sobre TC por assinatura: passaria de 10% para 15%.

– ICMS sobre bebidas e tabacaria: alíquota passaria de 25% para 29%.

 

Reportar Erro