Desatino

Relator adverte que adiar votação da LDO põe o Brasil sob risco de insolvência

Danilo Forte irá conferir a pretensão de adiamento com o senador Pacheco

acessibilidade:
Deputado Danilo Forte (União-CE)- Foto: Deborah Sena-

O deputado Danilo Forte (União-CE), relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), afirmou na manhã desta terça-feira (12) que sem votar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em tempo hábil, “o Brasil corre o risco de insolvência no próximo ano”.

A intenção do governo de pressionar o Congresso a adiar a votação da LDO foi noticiada por alguns veículos nesta manhã.

“A responsabilidade ou a irresponsabilidade da medida precisa ser nominada”, advertiu Danilo Forte , preocupado.

O relator da LDO fez essas advertências durante o programa Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes e da TV BandNews, na manhã desta terça, em entrevista aos jornalistas Thays Freitas, Pedro Campos e Cláudio Humberto.

Forte disse que procuraria os presidentes da Comissão Mista de Orçamento, Daniella Ribeiro (PSD-PB) e do próprio Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de para conferir essa informação.

Danilo Forte foi entrevistado no Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes/TV BandNews.

“O relatório está pronto desde quinta-feira, inclusive está no sistema. Este foi um dos relatórios mais discutidos da história da LDO dos últimos anos. Desde agosto a gente vem discutindo este relatório”, disse o relator ao lembrar que foram feitas diversas audiências públicas nos estados e em comissões.

O deputado ainda destacou que, confirmado o pedido de adiamento, não se pode alegar que a proposta não foi debatida.

“Falta de diálogo não é. E eu acho que, neste momento, o pior dos mundos é o Brasil ficar sem orçamento. Ficar sem orçamento agora é o caos. É o fim da responsabilidade fiscal, é o fim do compromisso com o arcabouço fiscal, é o fim de todos os parâmetros que possam gerar credibilidade para retomada do desenvolvimento econômico do país”.

Para o deputado, a não votação do relatório representaria “falência política do governo”.

Reportar Erro