Ensino médio

Desmonte da reforma do ensino ameaça emprego dos professores

Ministro gaguejando, ao anunciar decisão, demonstra sua insegurança

acessibilidade:
Camilo Santana, ministro da Educação - Foto: Luis Fortes/MEC

Especialistas advertem que o desmonte da reforma do ensino médio, decidido por mentes obtusas, deve reduzir a carga horária e provocar o desemprego em massa de professores.

A reforma foi discutida durante anos, atravessando vários governos, inclusive petistas, e implantada no governo de Michel Temer.

O objetivo não é educação, é o desmonte do legado de Temer do MEC. Camilo Santana (Educação) gaguejando, ao anunciar a decisão obscurantista, dá uma pista da insegurança do ministro e da ignorância reinante. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A intenção do governo Lula é desmantelar a reforma que, aprovada em 2017, foi implantada ou está em curso em 25 dos 27 Estados brasileiros.

Ex-ministro, ex-secretário do Amazonas e São Paulo e secretário da Educação do Pará, Rossieli Soares advertiu para a perda de empregos.

Rossieli acha que a reforma deve ser objeto de aperfeiçoamentos, mas avalia que sua suspensão é trágica para a Educação.

Reportar Erro