Vandalismo em Brasília

Ibaneis afirma que não foi informado sobre possíveis ações radicais na Esplanada

Segundo o governador afastado, somente a Secretaria de Segurança do DF recebeu as informações da Abin

acessibilidade:
Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal.

O governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, declarou à Polícia Federal nesta sexta-feira (13), que nunca foi avisado sobre o risco de invasão da Esplanada dos Ministérios.

“Recebia informes sobre as questões de segurança do DF e nenhuma dessas tratou de possíveis ações radicais que estavam sendo organizadas pelos acampados. Eventuais relatórios de inteligência ficavam restritos à secretaria de segurança, e apenas chagava ao governador o que realmente importava para suas decisões”.

Ibaneis afirmou que somente a Secretaria de Segurança do DF recebeu as informações da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). E destacou que a pasta estava encarregada integralmente de fazer planejamento para garantir a segurança dos atos que se anunciavam para o dia 08 de janeiro.

Ele também ressaltou que determinou a remoção do acampamento em frente ao QG dos apoiadores do ex-presidente Bolsonaro, no dia 29 de dezembro. Entretanto, o exército impediu a remoção.

“Foi definida a data de 29/12/2022 e iniciado o procedimento de remoção, mas este foi sustado logo o início por ordem do comando do Exército. Algumas barracas chegaram a ser retiradas, mas o DF Legal, auxiliado pela Polícia Militar, não conseguiram terminar todo o trabalho de retirada em razão da oposição das autoridades militares”.

Vale lembrar, que no dia citado pelo governador afastado, militares impediram ação da Polícia Militar, assim como de agentes do DF Legal. Na ocasião, os acampados reagiram com agressividade contra os servidores do GDF. Na ocasião, o Exército emitiu nota sobre o caso: “A atividade foi conduzida em coordenação com órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF), mas foi suspensa no intuito de manter a ordem e a segurança de todos envolvidos”.