Segurança nas escolas

Deputado quer urgência de projeto contra armas em escolas

Objetivo é a adoção de medidas de segurança, como detectores de metais e revista autorizada

acessibilidade:
O projeto em questão foi apresentado em abril de 2019, motivado pelos casos da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano Foto: Agência Câmara

O deputado federal Glaustin da Fokus (Podemos-GO) protocolou um requerimento de urgência para votar um projeto de lei que trata da implementação de medidas para o controle efetivo de entrada de armas e substâncias perigosas em escolas públicas e privadas. 

O projeto de lei 2.058/2019 permite a estabelecimentos de ensino das redes pública e privada de todo o Brasil a adoção de medidas de segurança, como detectores de metais e revista autorizada, para evitar a entrada de armas, drogas e outras substâncias perigosas no ambiente escolar.

“Vivemos uma onda crescente de ataques nas escolas brasileiras e isso traz consequências graves para toda a sociedade, pois, além de espalhar o medo nas famílias, afeta diretamente a formação de cidadãos conscientes e responsáveis”.

O projeto em questão foi apresentado em abril de 2019, motivado pelos casos da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), nesses quatro anos, a proposta não foi analisada e infelizmente, os casos de violência no ambiente escolar têm aumentado.

Para o deputado é necessário que gestores, professores e alunos estejam envolvidos nesse desafio e ajudem a promover um ambiente educacional seguro e saudável para todos, mas também precisamos de medidas concretas para que a violência não tenha espaço nas escolas.

No caso de Suzano, dois ex-alunos mataram cinco estudantes e duas funcionárias, além do tio de um deles em uma loja próxima; do Colégio Goyases, em Goiânia, onde dois adolescentes morreram e outros quatro foram feridos por um colega de sala em 2017; e do massacre de Realengo, no Rio de Janeiro, em 2011, quando um ex-aluno entrou em uma escola municipal e matou a tiros 12 estudantes, feriu 22 crianças e em seguida se matou.

Reportar Erro