Mais Lidas

Saúde mental

Somente nesta quarta, dois policiais militares se mataram no DF

Suicídio de policiais militares é um problema não só no DF, mas em todo país

acessibilidade:

O trabalho de um policial militar não é fácil. Além dos riscos da profissão, o PM ainda precisa lidar com a carga emocional do seu trabalho. O acompanhamento pela própria corporação, nesses casos, é essencial.

A falta da prevenção do suicídio pode levar a desfechos trágicos. Só nesta quarta (21), no DF, dois policiais militares se mataram. Um sargento foi encontrado pela esposa morto dentro do banheiro de casa. Enquanto a amiga de uma tenente a encontrou morta, com um tiro na boca, também em sua casa.

O problema do suicídio dentro da Polícia Militar é evidente não só dentro da corporação no DF, mas em todo o país. Em 2016, o Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), realizou a pesquisa "Por que os policiais se matam".

Os resultados revelam que dos 224 policiais militares do Rio de Janeiro entrevistados, 10% disseram ter tentado suicídio e 22% afirmaram ter pensado em suicídio em algum momento. De 1995 a 2009, foram registrados 58 casos de suicídio de policiais militares no Rio, além de 36 tentativas de suicídio. Três aconteceram em serviço e 55 em dias de folga.

Entre os motivos para o suicídio dos PMs apontados pela pesquisa estão falta de reconhecimento profissional, maus-tratos e quadros depressivos. O relatório do GEPeSP também mostra que a maioria dos casos não é informada ao setor responsável dentro da corporação. Os pesquisadores concluíram que o risco de morte de PMs por suicídio é quase quatro vezes superior ao da população do Rio de Janeiro, de acordo com os dados registrados pelo estado entre 2000 e 2005.

O estudo propõe dois tipos de intervenção para que o risco de suicídio entre policiais militares diminua. De cunho geral, são propostas palestras, gestão de pessoal, gestão de logística, formação, e treinamento. Já em relação a uma intervenção mais específica, o estudo aponta o atendimento do policial em situação de risco e a criação de um protocolo sobre como lidar com potencial suicida.

Procurada pela reportagem, a Polícia Militar do DF ainda não se pronunciou sobre a disponibilidade de psicólogos para atender os servidores da corporação. A PMDF já fez campanhas de prevenção ao suicídio voltada à população geral, com a divulgação do trabalho do Centro de Valorização da Vida (141). No entanto, não há informações sobre ações voltadas para os próprios policiais.

Reportar Erro