Mais Lidas

Suspensão de multas

Rodovias começam a receber sinalização sobre uso do farol nesta sexta

Serviço terá início pela Estrada Parque Indústria e Abastecimento

acessibilidade:

Nesta sexta-feira (9), o Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF) começa a sinalização sobre o uso do farol durante o dia nas rodovias de Brasília. O serviço terá início pela Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia), mas, segundo o diretor-geral da autarquia, Henrique Luduvice, um cronograma para os outros locais será apresentado no dia 15.

A medida foi anunciada depois que a Justiça Federal decidiu, em 2 de setembro, suspender a cobrança de multas para quem não usa o farol durante o dia em rodovias de todo o Brasil. De acordo com Luduvice, mesmo com a liminar, é recomendado que os condutores continuem com a prática. “A indicação é por causa da segurança dos mais vulneráveis, como pedestres, ciclistas e motociclistas.”

Até dia 2, o DER-DF aplicou 23.522 multas pelo não cumprimento da Lei nº 13.290, de 2016, que trata sobre a obrigatoriedade do farol. Parte da verba arrecadada com as infrações já está sendo aplicada em melhorias na sinalização das rodovias do DF.

Reforço na sinalização desde junho

Desde junho, o departamento reforça a sinalização viária nas principais rodovias que cortam o Distrito Federal. O projeto, que prevê 64 pórticos e semipórticos (veja glossário abaixo), permitirá, segundo o diretor-geral, a melhoria das informações disponíveis aos motoristas em entroncamentos de Brasília.

Até agora, foram implementadas 37 estruturas em nove rodovias. “Essa sinalização coloca Brasília em sintonia com os projetos dos principais centros urbanos do mundo”, avalia Luduvice. Serão investidos R$ 11.189.512,49 no projeto. A verba é toda proveniente da fonte 237, que reúne recursos arrecadados por meio das multas de trânsito.

A expectativa é que as instalações estejam concluídas até o mês que vem. “O objetivo do projeto é a redução do número de acidentes, principalmente daqueles com gravidade e morte”, afirma o diretor.(Agência Brasília)

Reportar Erro