Mais Lidas

Deputada investigada

Polícia indicia filhos da deputada Flordelis pelo assassinato do pastor Anderson

Flávio Rodrigues e Lucas Cezar foram indiciados pelo crime de homicídio qualificado

acessibilidade:

A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) relatou, nesta quarta-feira (14/08), a primeira fase da investigação da morte do pastor Anderson do Carmo de Souza, marido da deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ). O inquérito foi entregue ao Ministério Público Estadual com indiciamento dos filhos da vítima: Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cezar dos Santos de Souza pelo crime de homicídio qualificado.

De acordo com a delegada Bárbara Lomba, titular da especializada, o documento também pede a prisão preventiva dos filhos da parlamentar. Ainda segundo a delegada, o inquérito foi desmembrado, e agora será dado início à segunda fase da investigação para identificar a participação de possíveis coautores no crime.

No dia 1º deste mês de agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, decidiu que o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e a polícia podem prosseguir com as investigações sobre a suposta participação da deputada Flordelis no assassinado do pastor evangélico.

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado em 16 de junho, alvejado por tiros na garagem da casa em que vivia com dezenas de filhos adotivos, em Pendotiba, em Niterói (RJ). Flávio e Lucas Cezar estão presos, sendo Flávio filho biológico de Flordelis, e Lucas filho adotivo.

A Polícia Civil encontrou na casa da deputada a pistola utilizada no crime. E suspeita que o assassinato tenha sido cometido para defender a mãe, após uma suposta traição. O celular do pastor Anderson do Carmo ainda não apareceu. E a mãe de Anderson afirmou, no mesmo mês, que não queria mais nenhum contato com a nora.

No mesmo dia do indiciamento, um um celular foi encontrado na cela em que Flávio está preso sozinho. Mas seu advogado alega que o telefone não é dele estava no vaso sanitário, que estaria entupido desde quando o filho do pastor chegou à cela.

Para a defesa de Flávio dos Santos, o indiciamento não é recebido com surpresa, e “traz certo alívio”, por saber que o inquérito passará a tramitar no Judiciário, deixando a delegacia. E critica “a forma como foram conduzidas as investigações”, com suposto cerceamento do acesso dos advogados ao processo, em alguns momentos. (Com informações da Ascom da PECRJ e do G1)

Reportar Erro