Progresso aparente

Projeto ‘sacramenta’ acordo com governo sobre desoneração

Autoria é do senador Efraim Filho (União-PB)

acessibilidade:
Senador Efraim Filho (UNIÇÃO-PB) (Foto: Deborah Sena)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, celebra progresso aparente em relação a desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia. Ele destacou o comparecimento do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ao Senado na última quinta-feira (7), anunciando um acordo entre o governo e os representantes desses setores.

Enquanto Pacheco pintou quadro de confiança, sob olhar desconfiado de parlamentares, o senador Efraim Filho (União-PB) expressou preocupação  sobre o prazo apertado para que as empresas comecem a arcar com os tributos previdenciários, que se encerra no próximo dia 20 e protocolou nesta quarta-feira projeto de lei que contempla o acordo firmado com o governo federal sobre a desoneração da Folha.

Efraim aponta para um ‘vácuo jurídico’ deixado após o Supremo Tribunal Federal (STF) suspender a desoneração da folha de pagamento para empresas de 17 setores econômicos. Filho destaca a necessidade de manter a política de desoneração em 2024, conforme estipulado no projeto. “No projeto, estipulamos que em 2024 a política de desoneração deve ser mantida, e a partir de 2025, deve haver uma reoneração gradual”, frisou. 

A incerteza não apenas coloca em risco a estabilidade financeira das empresas afetadas, mas também lança dúvidas sobre a capacidade do governo de fornecer solução eficaz e abrangente para um problema tão complexo.

 

 

Reportar Erro