Mais Lidas

Fim da gratuidade total

Projeto no DF prevê aluno de escola pública pagando um terço da tarifa de ônibus

DF gasta R$290 milhões subsidiando passe estudantil até para quem não precisa

acessibilidade:
Os ônibus que circulam em Brasília são apontados entre os mais modernos do País.

O governo do Distrito Federal envia nesta terça-feira (5) projeto de lei à Câmara Legislativa do DF estabelecendo novas regras para o passe livre estudantil, que atingiu níveis insuportáveis para os cofres públicos. O DF é a única unidade da federação onde o passe estudantil é de graça para todos: são quase 200 mil alunos, 65% de escola pública.

Pelo projeto, que pretende economizar R$175 milhões por ano, estudantes de escolas públicas passarão a pagar um terço do valor da passagem regular no transporte público, mantendo gratuidade de dois terços restantes. O governador Ibaneis Rocha (MDB) tem sido aconselhado por deputados a manter a gratuidade total para alunos de escola pública.

Somente em 2018, o DF gastou mais de R$290 milhões para custear a gratuidade estudantil sem distinções. Com a nova lei, o governo espera reduzir em 58% o custo do passe estudantil no transporte coletivo.

Também pagarão um terço da passagem, segundo o projeto, os alunos de escolas privadas com renda familiar total inferior a três salários mínimos ou que sejam detentores de bolsa de estudos. Os demais alunos de escolas particulares deverão arcar com a integralidade da tarifa, o que representará uma economia de cerca de R$100 milhões por mês. Se o projeto for aprovado como chegar à Câmara, o subsídio para os alunos de escolas públicas será reduzido de R$190 milhões para R$127 milhões.

As novas regras valem para estudantes dos ensinos superior, médio e fundamental nas áreas urbana e rural no deslocamento de sua residência, local de trabalho ou estágio para a instituição de ensino, e seu retorno tanto no metrô quanto nos ônibus.

Nos casos de alunos da rede pública, bolsistas ou de renda familiar inferior a três salários mínimos, o valor remanescente das tarifas será custeado pelo Distrito Federal, por intermédio do Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans).