Na bronca

Presidente da CNA diz que não quer conversa com Lula: ‘Desgoverno’

João Martins que preside a confederação do agro afirmou que 'está na hora de a gente dizer que o país precisa de um plano para poder se desenvolver'

acessibilidade:
Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins. (Foto: Reprodução/CNA).

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, criticou o governo e afirmou que não quer conversar com o presidente Lula (PT) sobre a Medida Provisória (MP) do PIS/Cofins.

Em almoço na Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), para tratar sobre a medida, Martins chamou o governo Lula de “desgoverno”.

“Eu não quero falar com o presidente Lula. Me recuso a falar com o presidente, porque estamos vivendo um desgoverno. Vocês que fazem o Congresso, que fazem com que no Congresso as coisas aconteçam, está na hora de a gente dizer que o país precisa de um plano para poder se desenvolver. O país não pode ficar à mercê do momento que o agro vai bem, o país vai bem”, criticou João Martins.

Ainda no encontro, a senadora e ex-ministra da Agricultura, Teresa Cristina (PP-MS), também criticou o governo e classificou que a medida “é o fim do mundo mesmo”, fazendo alusão ao nome pelo qual a MP ficou conhecida.

“Imagine que as empresas precisam recolher agora, no dia 20, o PIS/Cofins. Muitas não têm dinheiro em caixa e precisarão pegar dinheiro emprestado. Nós deveríamos devolvê-la”, afirmou a parlamentar.

A medida:

Medida Provisória apelidada de ‘MP do Fim do Mundo’, restringe o uso de créditos tributários em relação aos impostos Pis e Cofins, na intenção de compensar o que a receita ‘perde’ com a desoneração da folha de pagamentos.

Mais uma derrota de Lula:

Na terça-feira (11), o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou a devolução da parte da MP.

A parte devolvida trata da limitação dos créditos do PIS/Cofins. Com a decisão, o trecho perde a validade imediatamente.

“Com absoluto respeito à prerrogativa do Poder Executivo, de sua Excelência, o presidente da República, na edição de medidas provisórias, o que se observa em relação a essa medida provisória, no que toca a parte das compensações de ressarcimento de regras relativas a isso, é o descumprimento dessa regra do artigo 195, do parágrafo sexto da Constituição Federal. O que impõe a esta presidência do Congresso Nacional impugnar esta matéria, com a devolução desses dispositivos à presidência da República”, disse Pacheco, no plenário.