Operação Captivus

PF combate crimes previdenciários em Pernambuco e evita dano de R$ 2,3 milhões

Ao menos 15 benefícios fraudulentos foram identificados, com prejuízo de ao menos R$ 1,5 milhões

acessibilidade:
Foto: Arquivo/ABR

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, (2), na cidade de Olinda (PE), a Operação Captivus, com a finalidade de reprimir crimes previdenciários. A investigação identificou fraude em 15 benefícios, com prejuízo de pelo menos R$ 1,5 milhões. E o valor da economia projetada, levando-se em considerações a expectativa de vida média da população brasileira, é de aproximadamente R$ 2,3 milhões.

Com apoio da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretária Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, policiais federais cumpriram um mandado judicial de busca e apreensão, expedido pela Justiça Federal em Recife (PE).

As investigações, iniciadas a partir de duas prisões em flagrante realizadas em uma agência bancária, na cidade do Cabo de Santo Agostinho (PE), no dia 19 de abril deste ano, apontaram a existência de uma associação criminosa formada por intermediários e procuradores, que, mediante falsificação de documentos de declaração de cárcere e certidões de nascimento, requeriam benefícios do tipo auxílio-reclusão.

O nome da Operação Captivus vem do latim e significa “prisioneiros”, em razão do objeto da investigação está relacionado a auxílio-reclusão. E a ação contou com a participação de policiais federais e servidor da CGINT.

A Força-Tarefa Previdenciária e Trabalhista é integrada pela Secretária Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal e atua em conjunto no combate a crimes contra o sistema previdenciário. (Com informações da Comunicação Social da PF em Pernambuco)