Mais Lidas

Carta a Dilma

Pai do líder do PMDB diz que Temer usou máquina para manter aliança

Jorge Picciani questiona veracidade de sentimentos expostos pelo vice

acessibilidade:

O presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani, um dos líderes do movimento contra o impeachment da presidente da República, reagiu nesta terça-feira (8) à carta enviada pelo vice presidente Michel Temer (PMDB) a Dilma Rousseff em que se queixa de falta de relevância no governo.

"Já vi de tudo na história do Brasil, mas nunca uma carta nesse nível. Essa carta é incompreensível. Fico surpreso em ver como alguém que se sentia figurativo por quatro anos brigou para manter a aliança com o PT na eleição de 2014 e continuar figurativo. Ele (Temer) lutou duramente para continuar vice. Usou a máquina do governo para manter a aliança", disse Picciani lembrando que a permanência do PMDB na aliança com o PT foi aprovada por maioria estreita na convenção do PMDB, com 59%, em junho de 2014.

Picciani liderou no Rio de Janeiro a dissidência que apoiou o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) para presidente, mas sustenta a tese de que a vitória de Dilma deve ser respeitada e que não há fundamento para o impedimento. O presidente do PMDB-RJ e seu filho Leonardo Picciani, líder do partido na Câmara, são citados na carta do vice a Dilma.

Temer reclamou que Dilma negociou com os Picciani o espaço do PMDB na reforma ministerial sem ouvi-lo. Jorge Picciani evitou falar em um possível movimento para destituir Leonardo da liderança capitaneado pelo grupo de deputados pró-impeachment. "Leonardo age em nome da maioria da bancada. O que nos move é a democracia. A minoria só vence a maioria em filme de Kung Fu", afirmou. (AE)

Reportar Erro