crime eleitoral

Oposição reage a pedido de Lula por votos em Boulos

Ao menos 4 autoridades disseram entrar com medidas legais contra a fala do presidente por propaganda eleitoral antecipada; governo tirou vídeo do ar.

acessibilidade:
Presidente Lula pediu voto para Guilherme Boulos, no ato do 1º de Maio, em São Paulo (Foto: Reprodução X @GuilhermeBoulos)

Após o evento em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu votos para Guilherme Boulos (Psol), pré-candidato de extrema-esquerda a prefeito de São Paulo, integrantes da oposição criticaram as falas do presidente.

Pelo menos cinco autoridades diferentes – deputados federais Kim Kataguiri (União Brasil-SP), Júlia Zanatta (PL-SC) e Carla Zambelli (PL-SP); a senadora Damares Alves (Republicanos-DF) e o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB) – disseram que vão acionar a Justiça Eleitoral contra as falas de Lula por “campanha eleitoral antecipada” e “desvio de funcionalidade de recursos públicos”

Durante o evento convocado pelo governo para o Dia do Trabalhador, Lula pediu que “esse rapaz, esse jovem, ele está disputando uma verdadeira guerra aqui em São Paulo. Ele está disputando com o nosso adversário nacional, ele está disputando contra o nosso adversário estadual, ele está disputando contra o nosso adversário municipal. Está enfrentando 3 adversários. Ninguém derrotará esse moço aqui se vocês votarem no Boulos para prefeito de São Paulo nas próximas eleições. Vou fazer um apelo: cada pessoa que votou no Lula em 1989, em 1994, em 1996, em 2006, em 2010, em 2022, tem que votar no Boulos para prefeito de São Paulo”

Além do ex-presidente da República Jair Bolsonaro e a ex-primeira dama Michelle Bolsonaro, eis a repercussão das declarações de Lula por parte de integrantes da oposição:

Flavio Bolsonaro (PL-RJ) – senador

 

Sergio Moro (União Brasil- PR) – senador

 

Nikolas Ferreira (PL-MG) – deputado federal

 

Damares Alves (Republicanos- DF) – senadora

 

Marcell van Hatten (Novo-RS) – deputado federal

 

Ricardo Salles (PL-SP) – deputado federal

Reportar Erro