Mais Lidas

Crime por encomenda

Operação contra milícia no Rio investiga Ronnie Lessa e ex-vereador por morte de casal

Operação Déjà Vu indica que ex-vereador Cristiano Girão contratou Lessa para matar casal

acessibilidade:

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) cumprem hoje (9) cinco mandados de busca e apreensão da Operação Déjà Vu contra suspeitos de envolvimento com a milícia que controla a comunidade de Gardênia Azul, na zona oeste da cidade do Rio. Entre os alvos, acusados de duplo homicídio, estão o ex-vereador Cristiano Girão e Ronnie Lessa – PM reformado que está preso pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista dela, Anderson Gomes, em 2018.

A ação busca informações, no Rio e em São Paulo, para tentar solucionar os assassinatos do ex-policial militar e miliciano André Henrique da Silva Souza, o “Zoio”, e da companheira dele Juliana Sales de Oliveira, em 2014.

A investigação indica que Girão seria o mandante da morte do miliciano e de sua mulher. A investigação apontou que o homicídio teria sido motivado por uma disputa territorial entre organizações criminosas de milícia que atuam naquela região. E Ronnie Lessa é investigado como autor do duplo homicídio.

O crime ocorreu em junho de 2014, no bairro da Gardênia Azul, zona Oeste do Rio. Na ocasião, um veículo Fiat Doblô com os criminosos emparelhou com o carro Honda Civic, em que André e Juliana estavam. Foram efetuados mais de 40 tiros contra as vítimas, segundo a Delegacia de Homicídios da Capital.

Os mandados estão sendo cumpridos em locais da cidade do Rio, inclusive na cela de um investigado preso em Bangu.

Ronnie Lessa está na penitenciária de segurança máxima de Porto Velho (RO), onde também está preso Élcio de Queiroz, acusado de dirigir o carro do atentado a Marielle e Anderson.

Desde 2015, o ex-vereador Cristiano Girão vive no Nordeste, monitorado por tornozeleira e impedido de voltar ao RJ. Ele foi condenado por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro e responde às acusações em liberdade. (Com informações da PCERJ e G1)