Mais Lidas

Falsa bomba

Mala em comissão que debate uso de agrotóxicos foi deixada pelo Greenpeace

Câmara diz que mala abandonada no plenário na quarta-feira era 'simulação grotesca' de bomba

acessibilidade:
Comissão discute regulação e controle do uso de agrotóxicos no país. Foto: Gustavo Bezerra/PT Câmara

A ONG ambientalista Greenpeace assumiu a autoria do protesto que interrompeu a reunião da última quarta-feira, 20, da comissão especial da Câmara que debate o uso de agrotóxicos no país. De acordo com a organização ambientalista, a mala suspeita de guardar uma bomba era, na verdade, um alarme de moto.

Depois da reunião da comissão, a assessoria da Câmara informou que a mala, de material plástico, continha uma “simulação grotesca” de bomba.

Por volta das 10h30, no início da reunião, o equipamento sonoro entrou em funcionamento. Os deputados da comissão iriam discutir o Projeto de Lei 6.299/2002, chamado de “PL do Veneno”.

“O alarme estava inserido em uma pasta e não representava risco algum para a segurança dos presentes. Qualquer outra interpretação é uma tentativa mal intencionada de desviar a atenção da real ameaça em questão: a liberação de mais veneno na comida dos brasileiros”, diz o Greenpeace, em nota.

Entre as mudanças discutidas na comissão está a adoção de uma nova nomenclatura para os agrotóxicos. O texto original do projeto prevê que o termo “produto fitossanitário” comece a ser usado para denominar os produtos químicos usados na agricultura. Agora, com mudanças negociadas pelos parlamentares, ao invés de “produto fitossanitário”, os agrotóxicos serão chamados de “pesticidas”.

A discussão sobre o “PL do Veneno” foi adiada para a semana que vem.

Leia a íntegra da nota:

“Na manhã desta quarta-feira, o Greenpeace disparou um alarme de moto momentos antes do início da sessão da Comissão Especial que analisa do PL do Veneno, na Câmara dos Deputados. O protesto teve como objetivo chamar a atenção para os riscos da aprovação do projeto, que libera ainda mais agrotóxicos no Brasil.

Após o disparo do alarme, o equipamento foi retirado do local e a sessão seguiu por cerca de uma hora até ser suspensa devido ao início da ordem do dia no Plenário da casa. O alarme estava inserido em uma pasta e não representava risco algum para a segurança dos presentes. Qualquer outra interpretação é uma tentativa mal intencionada de desviar a atenção da real ameaça em questão: a liberação de mais veneno na comida dos brasileiros.

A não-violência é um princípio fundamental do Greenpeace, que realiza, em todo o mundo, atividades pacíficas para defender o meio ambiente.

A luta contra o absurdo Pacote do Veneno é fundamental para impedir que ainda mais veneno seja colocado em nosso prato. Diversos órgãos já declararam que as consequências do Pacote do Veneno seriam catastróficas para a saúde e o meio ambiente: Ministério Público Federal, Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Instituto Nacional do Câncer, Ministério Público do Trabalho, Anvisa, Ibama, Abrasco, Ministério da Saúde e Conselho Nacional dos Direitos Humanos, entre outros.

Seguiremos mobilizados para impedir que deputados aprovem esta lei absurda que vai contra o interesse do povo brasileiro.”

Vídeos Relacionados