Segurança Pública

Veto de Lula sobre fim das saidinhas seria retrocesso, diz Derrite

Se sancionar projeto, Lula consagrará vitória de Flávio Bolsonaro e Moro.

acessibilidade:
Dep. Guilherme Derrite, relator do fim das saidinhas na Câmara. (PL-SP) (Foto: Câmara)

O secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, deputado licenciado que voltou ao exercício do mandato para relatar o projeto de lei que acabou com as saidinhas nos feriados, falou ao Diário do Poder sobre a possibilidade veto do presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva sobre o texto aprovado.

 

“Eu considero que seria um grande retrocesso, pois julgo que o projeto é um grande avanço para toda a sociedade. O veto é uma prerrogativa do governo federal, mas caso isso aconteça, será analisado pela Câmara dos Deputados”.

 

Derrite acrescenta que o legado da aprovação é “a proteção da vítima. Por muitos anos, a vítima ficou esquecida pelos inúmeros benefícios oferecidos aos criminosos. Esse é o primeiro passo para garantir a segurança da sociedade e um avanço contra a impunidade no país”.

 

Com o encaminhamento da matéria à sanção, a vigência do projeto aprovado pelo Congresso Nacional depende do aval do presidente da República. Se vetar o texto, Lula pode ter a popularidade ainda mais reduzida, mas se assinar o projeto, consagrará a matéria que teve, no Senado, a relatoria do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), e a contribuição do senador Sérgio Moro, com a principal emenda votada pela Casa Alta, permitindo vínculo de estudo e trabalho para presos do regime semiaberto, que não tenham cometido crimes hediondos ou perigosos.

Reportar Erro