Comissões

Congresso destina R$4,7 bilhões para pastas de Nísia e Waldez Góes

Oposição acha que o dinheiro será desviado ou usado em redutos eleitorais

acessibilidade:
Congresso Nacional durante sessão de análise de vetos. (Foto: Deborah Sena)

Os ministérios da Saúde e do Desenvolvimento Regional receberam das mãos do Congresso Nacional, nesta quarta-feira (29), crédito adicional, retirado das Comissões Parlamentares, totalizando R$4,7 bilhões. A pasta comandada pelo socióloga Nísia Trindade receberá crédito suplementar no valor de R$ 2,84 bilhões, já o ministério comandado pelo ex-governador do Amapá receberá R$ 6,1 milhões.

O deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) foi, desde o início da tramitação dos projetos que abriram o crédito suplementar, o crítico mais ferrenho às manobras criadas para passar as propostas, de última hora, pegando de surpresa a maioria dos parlamentares.

“O ponto mais sensível é tirar todo este dinheiro de Comissões, que já estavam com previsão em investimentos, sem dizer quem, exatamente vai distribuir este recurso, e para onde ele vai”, disse o parlamentar gaúcho ao Diário do Poder. 

Ao fim da sessão do Congresso Nacional, nesta quarta-feira (29), o parlamentar voltou a se manifestar. Um total de 69 parlamentares assinaram apoiamento a um destaque de autoria de Van Hattem (NOVO-RS) para remanejar os recursos pleiteados pelo governo ao Rio Grande do Sul. Para o parlamentar, o dinheiro aprovado pelo Congresso vai ser destinado para “redutos eleitorais e para desvios. A gente vê que há muita corrupção com esse dinheiro indicado pelos parlamentares. Não há nenhum segredo nisso”.