Eleita

Caroline De Toni fala em gestão equilibrada à frente da CCJ da Câmara

Deputada é oficialmente a indicada do PL e eleita pelos colegas

acessibilidade:
Deputada Caroline de Toni (PL-SC) - Foto: Agência Câmara.

Eleita para comandar a comissão mais importante da Câmara dos Deputados, a deputada federal Caroline de Toni (PL-SC) diz que a posição do presidente da CCJ é “análoga a do magistrado, que é alguém que tem que mediar todos os tipos de interesse, e a gente tem que ter bom senso. Eu acredito que essa deve ser a nossa linha de condução.”

Em declaração à imprensa, a deputada falou em visão equilibrada e garantiu que vai “prestigiar o princípio da proporcionalidade partidária”, sem distinção sobre as pautas a serem deliberadas.

E acrescentou:  “sou uma deputada de direita, mas vamos pautar algumas coisas, tendo clima, com apelo social, eu acho que tem que ser tudo. A gente tem que visar o que é bom para a sociedade brasileira.”

De Toni acredita que se pautas de costumes monopolizarem a agenda da Comissão, o resultado será obstrução e desentendimento entre os partidos. “Aí não funciona a comissão. Então a gente tem que ter bom senso”.

O tom pacificador da deputada se dá em virtude da resistência que sofreu por parte de deputados governistas que a chamaram de “muito radical”. O impasse gerou questionamento até mesmo por parte do líder do Partido Liberal, Altineu Côrtes (PL-RJ), que em declaração ao Diário do Poder, chegou a considerar a indicação de outros nomes.

Deputados da ala bolsonarista disseram à redação que a lista que circulou em grupos de whatsapp da Câmara cogitando o nome de Luiz Carlos Motta (PL-SP), mesmo deputado que relatou o Orçamento de 2024,  era resultado da ‘vontade’ de Altineu.

Reportar Erro