Londres 0800

Doria protagoniza constrangedor abraço triplo com Alcolumbre e Cardoso

Após segurar a CPMI, presidente do Senado aproveita evento de Doria para passear em Londres

acessibilidade:
O abraço triplo
Enquanto Brasília fervilha, no primeiro grande escândalo do Lula 3, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e seu criador Davi Alcolumbre (União-AP) gastavam dinheiro público no esticadão do ex-governador João Dória, em Londres, como destaca a Coluna do jornalista Cláudio Humberto desta quinta-feira, 20.

Doria e Alcolumbre, inclusive, protagonizara, uma foto acalorada de abraço triplo com o ex-ministro petista José Eduardo Cardoso.

Na quarta-feira, 19, já em Londres, Rodrigo Pacheco foi questionado por ter adiado a sessão do Congresso Nacional que instalaria a CPMI do 8 de janeiro, favorecendo o governo Lula. Pacheco reclamou e afirmou que o protesto da oposição no dia anterior para pressioná-lo a instalar a comissão foi “desproporcional” e que o adiamento foi algo “corriqueiro”.

“A CPI é um direito da minoria. Não cabe a mim decidir. Se forem cumpridos os requisitos – número de assinaturas, fato determinado e orçamento previsto – cabe aos líderes tomar essa decisão. Essa é a jurisprudência do STF no caso da CPI da Covid”, disse Pacheco em conversa com jornalistas durante um coquetel na Embaixada do Brasil em Londres organizado pelo Lide.

O presidente do Congresso comentou ainda a divulgação de imagens do circuito interno de câmeras de segurança do Palácio do Planalto que mostram trechos da atuação do então ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Gonçalves Dias, durante os ataques extremistas de 8 de janeiro. Nelas, o general circula nos corredores do edifício, abrindo portas e indicando rotas de saída pela escada a alguns dos invasores.

“Não vi as imagens, mas, se houve leniência, o tratamento deve ser de ato criminoso. Seja quem for que contribuiu deve responder por isso”, disse Pacheco.

Alcolumbre, que já presidiu o senado e atualmente no comando da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, também falou sobre o assunto e foi contundente ao rejeitar a instalação do colegiado: “Não é momento de CPI”.

O evento Lide Brazil Conference reunirá entre hoje e sexta-feira, 21, ministros brasileiros e britânicos para debates sobre oportunidades do Brasil no Reino Unido e na União Europeia.

O Lide é a joia da coroa do império de João Doria, chamado de Grupo Doria, e funciona com anuidades dos mais de mil associados (9 mil reais, valor total R$ 9 milhões) e das cotas de patrocínio dos eventos – pelo menos um por mês –, ao custo mínimo de R$ 50 mil reais.

No ano passado, o grupo de Doria levou a Nova York cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e pagou por todas as suas despesas.

Viajaram às expensas do Lide os ministros Alexandre de Moraes, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski.

Reportar Erro