Contratos promíscuos

Damares denuncia relação de agências de propaganda com membros do PT

A senadora aponta vícios em contratos de publicidade e pede convocação de Pimenta

acessibilidade:
Senadora Damares Alves (Republicanos-DF) (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado).

A Senadora Damares Alves (Republicanos-DF) apresentou à Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle de Defesa do Senado requerimento para a convocação do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta, mediante as últimas contratações de agências de publicidade pelo Governo Federal.

A parlamentar aponta para vícios de ilegalidades no processo de contratação das empresas, uma vez que setores da imprensa já tinham ciência dos nomes selecionados pela Secom antes da divulgação oficial pela pasta e que parte considerável das agências escolhidas têm relação com o Partido dos Trabalhadores, de acordo com a denúncia.

A senadora mapeou o vínculo entre empresas contratadas e membros do PT da seguinte forma:

  • Área Comunicação é conhecida por sua associação com Otávio Antunes, marqueteiro do ministro da Fazenda, Fernando Haddad.
  • Usina Digital é vinculada a Sidônio Palmeira, marqueteiro de Lula na última campanha eleitoral de 2022 e que se uniu ao governo recentemente para tratar da popularidade do petista.
  • Br+ (BRplus), que compõe o consórcio vencedor BR e Tal com a Digi&Tal, tem conexões com os deputados federais Lindbergh Farias (PT-RJ) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), que também é presidente nacional do PT.
  • Moringa L2W3 teria a preferência de Paulo Pimenta, ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República.

O requerimento de Damares também aponta para uma relação ‘promíscua’ entre a Secom e a Agência Nacional Comunicação, liderada pelo cientista político Juliano Coeberllini, amigo do ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, desde os tempos de atuação no movimento estudantil no Rio Grande do Sul, e padrinho dos filhos de Pimenta.

A agência se tornou a segunda mais abastada entre as credenciadas desde que o amigo de Pimenta assumiu a gestão.  Após a passagem de comando para Coeberllini, o valor do repasse feito  pelo governo Lula, saltou de R46,156,292,95  em 2023, para R$12,229,995,28 em 2024.

 

Reportar Erro