Voos atrasados

Aerounautas rejeitam acordo e greve-chantagem entra no quinto dia

Antevéspera de Natal é marcada por atrasos em pousos e decolagens

acessibilidade:
Sindicato Nacional dos Aeronautas quer aumento real nos salários. Foto: Reprodução

A antevéspera de Natal foi marcada por atrasos em pousos e decolagens em aeroportos brasileiros, em razão da greve anual, com ares de chantagem, de aeronautas e comissários de bordo.

Todos os anos, às vésperas de Natal, esse grupo promove ameaças e até a chantagem de greve para fazer valer suas demandas.

Os grevistas recusaram proposta das empresas de repor integralmente as perdas provocadas pela inflação e mais 1% de ganho real. Eles exigem 5% de ganho real, o que representaria um aumento salarial próximo dos 12%.

Eles mantêm a paralisação entre 6h e 8h da manhã nos aeroportos de Congonhas, Guarulhos, Viracopos, Galeão, Santos Dumont, Porto Alegre, Confins, Brasília e Fortaleza . Ontem (22).

Em assembleia virtual – com 59.25% de votos contrários, 40.02% de votos favoráveis e 0.73% de abstenções – os trabalhadores da aviação regular rejeitaram a proposta apresentada pelas companhias aéreas que previa a reposição total da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) – em salários fixos e variáveis – mais 1% de aumento real. O reajuste incidiria em diárias nacionais, piso salarial, seguro, multas por descumprimento da convenção coletiva e vale-alimentação.

Os aeronautas querem 5% de aumento salarial e ajuste de condições de trabalho, como do horário de folgas e regras que impeçam a mudança dos descansos pelas companhias aéreas – espera dos tripulantes entre um voo e outro de 3 horas durante o dia e duas horas no período da noite.

Em nota, o SNA destacou que a categoria está desde o final de setembro negociando e que todas as propostas enviadas pelo sindicato patronal não eram condizentes com a pauta de reivindicações apresentadas e, por isso, foram rejeitadas.

“O SNA continua aberto às negociações, aguardando que as empresas enviem uma nova proposta, minimamente aceitável. Se houver uma proposta, ela será colocada em votação e, caso seja aprovada, a greve termina, se não, a greve continua por tempo indeterminado”, o informou  sindicato.