Mais Lidas

Torcidas reprovadas

Kalil assume culpa por fracasso em liberar torcidas em estádios de BH

Prefeitura recuou, mas avaliará dados de eventuais internações de torcedores

acessibilidade:
Prefeito de BH Alexandre Kalil. Foto: PBH/Flickr/Reprodução

Em entrevista coletiva, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), assumiu como sua e da Prefeitura a culpa pelo fracasso da iniciativa de liberar torcidas nos estádios da capital mineira, após problemas registrados nas partidas de futebol dos clubes Atlético-MG e Cruzeiro, na semana passada. A Prefeitura de BH recuou da medida e anunciou ontem o retorno do veto das torcidas em estádios de BH.

“Foi o prefeito Kalil que foi ao Comitê [de Enfrentamento à Covid-19] pedir o teste. Ela [a Prefeitura] não é partícipe, não. Ela é culpada. Não tem participação, não. Nós é que somos culpados. O prefeito é que achou que ia dar certo e errou”, afirmou Kalil.

Durante a entrevista que convocou, o prefeito prometeu seguir empenhando esforços para uma nova liberação do público, caso os indicadores da pandemia permitam. E o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado, adiantou que utilizará os impactos dos dois jogos de futebol realizados nesse último teste, para avaliar se poderá haver uma nova liberação das torcidas para a partida entre Atlético-MG e Palmeiras, na semifinal da Libertadores, no 29 de setembro, no Mineirão.

“Nós temos um cadastro de todos os frequentadores do estádio nos dois eventos, pelo menos foi uma das exigências que fizemos. Então, vamos conseguir, nas próximas duas a três semanas, comparar o CPF de quem esta internado, doente, ou que testou positivo com o CPF de quem estava no estádio. É óbvio que, se não houver impacto, podemos liberar de novo para o jogo do dia 29, com mais ou menos público”, explicou o gestor da Saúde de BH.

Além da análise dos dados de eventuais internações, a Prefeitura investigará todos os testes de covid-19 entregues pelos torcedores para ingressar nas partidas da semana passada. “Vamos conseguir auditar os testes, saber se foram fidedignos e responsabilizar aqueles que porventura não tenham cumprido o protocolo como deveriam”, disse Machado.

Torcida acompanha sem máscara o jogador Hulk em partida contra o River pela Libertadores. Foto: Pedro Souza/Atlético

Iniciativa do prefeito

O prefeito Alexandre Kalil eximiu de culpa os clubes em relação à decisão de permitir a volta das torcidas aos jogos, ao afirmar que não houve nenhuma solicitação das agremiações para a reabertura dos estádios.

“Foi uma iniciativa do Alexandre Kalil, que pediu ao Comitê de Enfrentamento para dar uma oportunidade para a gente saber se dava para voltar o futebol. Então, prestem atenção, nenhum dirigente de nenhum clube de Belo Horizonte esteve via ofício, pessoalmente ou via telefonema pedindo, pensando na torcida de futebol. Então, eu fico absurdado como, de repente, parece que nós estamos fechando unilateralmente o futebol.

Kalil relatou que a Prefeitura de BH apenas convidou os clubes para a definição dos protocolos contra a covid-19, que acabaram sendo descumpridos. “Infelizmente deu no que deu, não vamos aqui voltar porque todo mundo assistiu, o Brasil todo assistiu, foi matéria nacional, foi colocado como um verdadeiro escândalo nacional, mas não vamos culpar ninguém, não”, disse o prefeito. (Com informações do G1)