Mais Lidas

lei de segurança nacional

Grupo que pedia intervenção militar nas redes sociais é investigado pela PF

Renan Silva Pena, ex-servidor do Ministério dos Direitos Humanos, é um dos alvos da ação de hoje (27)

acessibilidade:
Ex-servidor do Ministério dos Direitos Humanos, Renan Silva Pena, é alvo de ação da PF por incitar prática de violência contra o Estado. Foto: Reprodução

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (27), ação que investiga a conduta de um grupo que usava as redes sociais para fazer apologia à intervenção militar e prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão nos endereços dos investigados, em Brasília, DF; Taboão da Serra, SP; e Uberlândia, MG. Um dos alvos é o ex-servidor do Ministério dos Direitos Humanos Renan Silva Pena, que foi demitido do órgão por publicar um vídeo ameaçando autoridades públicas.

As investigações da Operação Estabilidade tiveram início após a divulgação deste vídeo nas redes sociais. Ele foi gravado em frente à Corte e dois dos investigados que pediam o afastamento e a prisão de nove ministros do STF. A PF apurou que eles também estavam envolvidos em diversos atos do gênero, inclusive na arrecadação de fundos para financiar o movimento.

Os alvos são investigados por crimes previstos na Lei de Segurança Nacional, como financiar e/ou promover atos violentos ou ilegais para alteração da ordem política social. Caso condenados, poderão receber penas de 1 a 4 anos de prisão.

Vídeos Relacionados