Mais Lidas

Sem água

Falta de chuva faz Caesb interromper o abastecimento em regiões do DF

O presidente da Caesb explica que a suspensão foi “necessária”

acessibilidade:

A falta de chuva na capital federal traz consequências aos brasilienses. Além da tradicional ‘seca’, algumas regiões do DF enfrentam a falta d’água, devido à baixa capacidade dos reservatórios. Ontem (14), moradores do Jardim botânico, de Sobradinho e de Brazlândia tivera o abastecimento interrompido. A maior reclamação é que a suspensão não foi avisada com antecedência.

O presidente da Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb), Fábio Albernaz Ferreira, explicou que a suspensão foi “necessária”. Segundo ele, o consumo de água aumenta durante a época de calor intenso. Inclusive, por conta do calor e da baixa umidade, a Defesa Civil decretou estado de alerta.

“Estamos num período de estiagem forte, com seca mais longa que o normal. Com isso, a disponibilidade de captação nos sistemas isolados acaba baixando e as áreas mais altas acabam prejudicadas”, disse. Para evitar que essas áreas sejam penalizadas, Albernaz explica que são realizados procedimentos para garantir a distribuição em todas as regiões.

Em relação à falta de aviso prévio, o presidente da Caesb concorda que faltou comunicação. “A notificação foi insuficiente, de fato. Esperamos que o problema seja regularizado. As regiões tiveram o abastecimento restabelecido, mas leva um tempo para a normalidade”, disse.

As chuvas não devem aparecer até, pelo menos, domingo, segundo previsões meteorológicas. Mas, segundo Albernaz, assim que as precipitações chegarem, o sistema mais sensível será “desafogado”. “Até lá, devemos trabalhar internamente, economizando e racionalizando a água para evitar o desperdício”, pediu.

Novas interrupções

Segundo o presidente da Caesb, novas suspensões do abastecimento de água podem ser necessárias. No entanto, serão comunicadas com antecedência.

Albernaz explica que outros fatores, além da seca, colaboram para prejudicar o abastecimento. Um dos maiores vilões, segundo ele, é a ligação clandestina. “Temos equipes que correm atrás, vão verificar. Essas ligações retiram a água da rede de forma exclusa e causa grande perda ao nosso sistema. Outro grande problema é o vazamento. Mas trabalhamos para controlar as pressões na rede para evitar a situação”, completou.

Reportar Erro