Sem povo

Exposição sobre bicentenário oficialmente aberta no Congresso

Autoridades que ignoraram o 7 de Setembro apareceram no Senado

acessibilidade:
Rodrigo Pacheco e Arthur Lira abrem a exposição, ao lado de Luiz Fux, do presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza, e dos ex-presidentes da República José Sarney e Michel Temer. Foto: Pedro França/Agência Senado

Como parte das comemorações do Bicentenário da Independência, foi aberta oficialmente na manhã desta quinta-feira (8) no Salão Negro do Congresso Nacional a exposição 200 Anos de Cidadania: O Povo e o Parlamento.

Além dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, da Câmara, Artur Lira, e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, participaram do evento de inauguração os ex-presidentes da República José Sarney e Michel Temer e chefes de Estado estrangeiros: os presidentes de Portugal Marcelo Rebelo; de Cabo Verde, José Maria Neves; e de Guiné Bissau, Umaro El Mokhtar Sissoco.

Já o presidente da República, Jair Bolsonaro, que era aguardado no evento, cancelou sua participação na sessão solene.

Preparada em conjunto pelo Museu do Senado e o Centro Cultural da Câmara dos Deputados, a mostra aborda a evolução dos direitos civis, políticos, sociais, étnico-raciais e coletivos, até as conquistas legislativas mais recentes, relativas, por exemplo, aos negros, às mulheres, às crianças, a pessoas com deficiência e à população LGBTQIA+.

Os visitantes poderão ver réplicas da Carta de 1824 e das outras seis constituições brasileiras, todas expostas para manuseio.

Será possível observar ainda cédulas e moedas históricas cedidas pelo Museu de Valores do Banco Central.  Vídeos de entrevistas a historiadores e lideranças de diferentes segmentos da sociedade também estão disponíveis.

A exposição estará aberta para visitação no Salão Negro do Congresso Nacional de 10 de setembro a 1º de dezembro, das 9h às 12h e das 13h às 18h nos dias de semana e das 9h às 17h nos fins de semana. (Agência Senado)