Gravação vazada

Zé Trovão sonha com Bolsonaro no Novo: PL ‘vendido ao diabo’

No áudio vazado, deputado diz sonhar com Bolsonaro filiado ao Novo

acessibilidade:
deputado Zé Trovão (PL-SC). Foto: Agência Câmara)

O deputado federal Zé Trovão afirmou que o PL, partido em que o ex-presidente Jair Bolsonaro e ele são filiados foi “vendido para o diabo” em um áudio gravado durante uma reunião privada . O parlamentar disse ainda durante o encontro que a legenda está corrompida e fez uma projeção pessimista para as eleições municipais deste ano.

A gravação vazada é obtida pelo portal Metrópoles se trata de uma reunião do parlamentar com servidores de seu gabinete na Câmara.
“O meu sonho é que o Bolsonaro abandonasse essa p*rra desse PL e viesse para o Novo. Eu acho que é o único partido que não se corrompeu. O resto está tudo rachado. Não é culpa do Valdemar [Costa Neto, presidente da sigla]. O Valdemar é político. Ele não pode, de maneira nenhuma, perder o partido do tamanho que está hoje. Se ele tiver que fazer acordo com o capeta, ele vai fazer. Só que eu não compactuo com esse tipo de política”, disse Zé Trovão, numa referência ao fundo eleitoral e à quantidade de parlamentares eleitos pelo Partido Liberal.

O Partido Novo tem figuras conhecidas, incluindo o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e o deputado Marcel Van Hattem. Desde a saída de João Amoêdo, a sigla passou por uma mudança de direção.

Durante a reunião, Zé Trovão expressou sua opinião no áudio, ele afirmou que o Partido Liberal (PL) não terá sucesso ao disputar cargos em prefeituras e câmaras municipais nas eleições deste ano. O deputado ainda criticou a trajetória que o partido está seguindo em Santa Catarina, seu reduto eleitoral.

“Nós temos um PL completamente rachado no estado. Nós não teremos base eleitoral no PL. Nós não teremos vereadores no PL, não teremos prefeitos no PL, não teremos nada disso, porque venderam o PL para o diabo e tá vendido. Acabou”, sentenciou.

“Até aqui na nossa cidade, Joinville, que era para ter o nosso candidato, que é o Lima, não vai acontecer. Não vão apoiar o Lima para ser prefeito, porque eles não vão criar uma inconstância com o [atual prefeito] Adriano [Silva], porque eles acham que a reeleição do Adriano está garantida”.

A queixa apresentada durante a reunião realizada em 31 de julho de 2023 possui semelhanças com a opinião expressa publicamente por Ricardo Salles (PL-SP). Salles, que já foi ministro no governo Bolsonaro, almejava concorrer como candidato do PL à Prefeitura de São Paulo. No entanto, a liderança do partido optou por apoiar a reeleição do atual prefeito, Ricardo Nunes (MDB).

Reportar Erro