Combate a Dengue

Vacina não será resposta imediata para situação atual da dengue, diz ministra

O ministério aguarda os avanços na pesquisa de uma 2º vacina por parte do Instituto Butantan, que complementará as ofertas do imunizante Qdenga

acessibilidade:
Ministra da Saúde, Nísia Trindade diz que Vacina não será resposta imediata para situação atual da dengue. (Foto: Agência Câmara)

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta segunda-feira (05) que a chegada da vacina contra a dengue ao sistema público de saúde não oferecerá a resposta necessária para combater o atual cenário de expansão da doença no país. 

Durante a inauguração de um polo de atendimento para pacientes com dengue na Zona Oeste do Rio de Janeiro, Nísia afirmou que os imunizantes funcionarão como uma medida de longo prazo para o problema, uma vez que a proteção máxima contra o vírus só é fornecida depois da aplicação de duas doses. 

 “A vacina é uma grande esperança realizada. Há muito se pesquisa para termos essa tecnologia. Mas, neste momento, ela não oferece uma resposta para a situação atual, porque é aplicada com um intervalo de 3 meses, é uma vacina de duas doses. Será, sim, muito importante e fundamental no combate, mas será uma estratégia progressiva para termos o impacto que esperamos”, declarou a ministra.

Enquanto isso, o foco do governo estará no controle dos focos do mosquito transmissor dentro dos domicílios. O ministério aguarda os avanços na pesquisa de uma 2º vacina por parte do Instituto Butantan, que complementará as ofertas do imunizante Qdenga, disponibilizado pela fabricante Takeda. 

“O ministério lidera um esforço nacional para vermos a capacidade de ampliação com a vacina atual, fornecida pela Takeda, e com a vacina candidata do Butantan. Vai ser um esforço nacional, e esse é o nosso papel como ministério, coordenar a ação. Até lá, vamos continuar tendo cuidado com os focos e trabalhar para não deixar que os casos se agravem. Cada um pode fazer a sua parte”, declarou Nísia.

O Brasil registrou 345.235 casos prováveis de dengue até 2 de fevereiro de 2024, de acordo com a última atualização do Painel de Monitoramento das Arboviroses do Ministério da Saúde. O valor representa uma alta de mais de 5 vezes em relação ao mesmo período de 2023. 

O país será o 1º no mundo a disponibilizar o imunizante contra a doença no sistema público de saúde. Aos longo de 2024, 6,5 milhões de doses serão enviadas para o SUS (Sistema Único de Saúde). Como ainda não há doses disponíveis para toda a população por limitação da fornecedora, o Ministério da Saúde listou 521 municípios que terão prioridade no recebimento das vacinas. Os imunizantes serão destinados para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos.

Reportar Erro