Se livrou

Justiça arquiva investigação contra Haddad por suposto caixa 2

A Justiça Federal em SP determinou o arquivamento de uma investigação contra o ministro Fernando Haddad, por suposta caixa 2 na campanha eleitoral em 2012

acessibilidade:
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, (Foto: Ministério da Fazenda/ Diogo Zacarias)

A Justiça Federal em São Paulo determinou o arquivamento de uma investigação policial contra o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, por suposta prática de caixa 2 na campanha eleitoral para a prefeitura de São Paulo, em 2012. O Juízo da 10º Vara Federal decidiu acolher manifestação do Ministério Público Federal na capital paulista. 

“A investigação já se prolongava por longo tempo, sem qualquer conclusão ou indicação razoável contra os investigados e que o próprio Ministério Público, em sua promoção acima, alude à carência de materialidade como que de absoluta ausência de prova de autoria”, diz um trecho da decisão. 

A investigação policial foi instaurada há quase 10 anos e teve como base as delações da empreiteira Odebrecht e dos publicitários João Santana e Mônica Moura. Ao fundamentar o pedido de arquivamento, o Ministério Público Federal apontou haver fragilidade na acusação.

“A investigação não permite com segurança, quanto mais a se dizer, de maneira corroborada por provas para além de acordos, isolar e vincular pagamentos ilegais que sejam sem ambiguidade feitos à campanha objeto da presente investigação. Tanto assim, a se considerar apenas a materialidade do delito. Quanto à autoria, sua situação é ainda mais precária”, declarou o MPF.

Em 2019, a Justiça paulista já havia reconhecido a improcedência de acusações que envolviam a suposta prática de caixa 2 na campanha de Haddad à Prefeitura de São Paulo. A ação penal havia sido instaurada a partir da delação de Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia.

Em 2021, o Ministério Público do Estado arquivou a investigação iniciada a partir da colaboração premiada com o ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, pelo fato de as declarações não terem sido comprovadas pelas diligências nos autos.

Os advogados de Haddad, Pierpaolo Bottini e Tiago Rocha, falaram sobre a decisão em nota. Leia a íntegra abaixo:


“O arquivamento do inquérito policial é irretocável e faz justiça a Fernando Haddad, após longos anos de espera. Mais uma vez demonstrou-se a inexistência de quaisquer irregularidades na sua campanha eleitoral de 2012. Todos os fatos foram exaustivamente investigados e, para além dos relatos contraditórios e inconsistentes dos delatores, não há nada que indique uma mínima mácula na conduta de Haddad”, declararam.

Reportar Erro