Terrorismo

Homem-bomba que planejou ataque ao aeroporto de Brasília vai para o semiaberto

George Washington terá direito de ficar fora da cadeia durante o dia e deverá voltar para o presídio à noite, para dormir

acessibilidade:
A Justiça do Distrito Federal concedeu a George Washington de Oliveira Sousa o regime semiaberto. (Foto: PCDF)

A Justiça do Distrito Federal concedeu a George Washington de Oliveira Sousa o regime semiaberto. Ele foi condenado por planejar um ataque à bomba no Aeroporto Internacional de Brasília no natal de 2022. 

George Washington terá direito de ficar fora da cadeia durante o dia e deverá voltar para o presídio à noite, para dormir. A juíza Francisca Danielle Vieira Rolim Mesquita também concedeu o direito de ele trabalhar fora da cadeia. “Pelos mesmos fundamentos, vale dizer, preenchidos os requisitos objetivo e subjetivo, concedo ao sentenciado autorização para o trabalho externo”, diz a decisão.

No entanto, a magistrada negou as saídas temporárias, as chamadas saidinhas, ao terrorista. Segundo a advogada Rannie Karlla Monteiro, que o representa, as saídas temporárias não foram deferidas porque ele não teve visita de ninguém quando estava no regime fechado. A defesa diz que vai juntar documentos para lhe conceder esse direito. 

A progressão de regime semiaberto foi concedida porque George Washington cumpriu 16% da pena, segundo a defesa. Ele foi condenado a 9 anos e 8 meses de prisão pela tentativa de atentado a bomba no Aeroporto de Brasília. 

Após ser preso, a PCDF (Polícia Civil do Distrito Federal) encontrou na casa dele um arsenal, munições e explosivos. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, ele é um dos mentores de um plano de ataque no Distrito Federal colocado em prática em 24 de dezembro de 2022, véspera de Natal.

A bomba foi colocada em um caminhão-tanque, que entraria no Aeroporto Internacional de Brasília, e tinha a força de uma dinamite, mas não foi acionada por um erro técnico.Os artefatos foram transportados do Pará a Brasília, segundo a investigação. 

A PCDF também aponta que o plano de atentado foi organizado em frente ao QG do Exército, onde pessoas ficaram acampadas reivindicando o resultado das eleições de 2022.

Reportar Erro