Abuso de poder

TSE cassa prefeito que recebeu apoio de dono da Havan e torna Hang inelegível

O prefeito de Brusque (SC), Ari Vequi e o vice, Gilmar Doerner tiveram os mandatos cassados e ficarão inelegíveis por oito anos

acessibilidade:
O prefeito disse que não foi comunicado da decisão do TSE. (Foto: Prefeitura de Brusque/Divulgação).

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou nesta quinta-feira (4) os mandatos do prefeito de Brusque (SC), Ari Vequi (MDB), e do vice, Gilmar Doerner, por abuso de poder nas eleições de 2020.

A ação do TSE foi movida pelos partidos políticos, Podemos, PT, PSB e PV. As siglas alegaram irregularidades nas eleições para a prefeitura da cidade e apontaram que o empresário e dono das Lojas Havan, Luciano Hang, usou “através de sua estrutura, seus bens, funcionários e fornecedores, em benefício da candidatura dos investigados José Ari Vequi e Gilmar Doerner”.

No julgamento de hoje, foi decido também que ficarão inelegíveis por oito anos os políticos citados e o empresário e Luciano Hang.

O presidente do TSE, e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, julgou como irregular e desiguais as ações de Ari Vequi, Doerner e Hang. A maioria do plenário também seguiu os votos do ministro.

“Houve utilização de toda a estrutura das lojas Havan na campanha eleitoral. Houve também uma flagrante e ostensiva quebra da igualdade das chances entre os candidatos […] Tendo em vista a participação em eventos ilícitos, consubstanciados em live e em evento dentro dentro das Lojas Havan”, afirmou Moraes na decisão.

Em nota divulgada pelo G1, o prefeito disse que não foi comunicado da decisão do TSE.

“Tão logo tenha acesso aos autos, irá se manifestar sobre tal decisão”, declarou.

 

Reportar Erro