Queda de 0,3%

Setor de serviços cai pelo segundo mês consecutivo e frustra projeções

De acordo com o IBGE, o setor ficou 2,6% abaixo do ponto mais alto da série histórica, em dezembro de 2022

acessibilidade:
Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta terça-feira (14). (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil).

O setor de serviços caiu 0,3% no mês setembro em relação ao mês de agosto. Esta foi a segunda queda consecutiva no setor, tendo em comparação que em agosto, houve recuo de 0,9% ante a julho.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (14), pela Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Após o resultado de setembro, o setor de serviços ficou 10,8% acima do nível que tinha na pré-pandemia, em fevereiro de 2020. De acordo com o IBGE, o setor ficou ainda 2,6% abaixo do ponto mais alto da série histórica, em dezembro de 2022.

No acumulado do ano, o volume de serviços tem alta de 3,4% em relação ao mesmo período de 2022. O percentual é 4,4% no acumulado dos últimos 12 meses.

Os dados divulgados ficaram abaixo da estimativa de analistas, que previam crescimento de 0,3% na leitura mensal e alta de 0,5% na anual.

A queda na atividade de informação e comunicação também chamou atenção. O recuo de 0,7% foi o terceiro seguido. No período de julho a setembro acumulou perda de 1,7%, resultado da pressão do setor de suporte técnico, manutenção e outros serviços em TI.

Os transportes tiveram queda de 0,2%, influenciada pelos setores de transporte rodoviário de carga que, segundo o IBGE, é o principal segmento desse grupo e um dos maiores pesos da pesquisa, seguido por transporte aéreo de passageiros.