Economia abalada

PT de São Paulo sofre com dívidas e pede recuperação judicial

As verbas do fundo partidário e doações privadas do PT-SP foram bloqueadas

acessibilidade:
O diretório declarou estar em uma situação de 'extrema penúria'. (Foto: Reprodução/Youtube).

O Partido dos Trabalhadores (PT) de São Paulo está enfrentando dificuldades financeiras. As verbas do fundo partidário e doações privadas foram bloqueadas, levando o diretório a aderir a um programa de recuperação fiscal para quitar dívidas tributárias com a União.

Em várias ações judiciais movidas por credores, o diretório declarou estar em situação de “extrema penúria” e “miserabilidade econômica”. Isso resultou no bloqueio de valores na conta bancária do ministro das Relações Institucionais do presidente Lula (PT), Alexandre Padilha, no final do ano passado.

As informações foram divulgadas pelo Metropóles e apontam que as dificuldades financeiras começaram em junho de 2018, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) considerou o PT-SP culpado por não declarar R$1,7 milhão gasto com candidaturas na eleição de 2016.

Isso resultou no bloqueio de 50% do valor das cotas do fundo partidário que o PT-SP recebe do diretório nacional até fevereiro de 2026.

Em 2023, o PT obteve aproximadamente R$10,6 milhões mensais de fundo partidário. O bloqueio imposto pela Justiça Eleitoral deixaria o diretório com R$197,5 mil mensais.

No entanto, devido ao bloqueio da Justiça Eleitoral e a outras decisões da Justiça Comum, o diretório recebeu pouco mais de R$98,8 mil nos meses de fevereiro e março. Em janeiro de 2023, um bloqueio total deixou São Paulo sem nenhum centavo do fundo partidário.

Reportar Erro