Operação Legis Easy

Justiça condena por corrupção 6 ex-vereadores de Mogi das Cruzes

As condenações por corrupção e lavagem de dinheiro incluem construção de moradias populares e serviços em órgãos municipais

acessibilidade:
Câmara Municipal de Mogi das Cruzes-SP. (Foto: Reprodução/ Facebook/Câmara Municipal).

O juiz Tiago Ducatti Lino Machado, da 3ª Vara Criminal de Mogi das Cruzes, condenou seis ex-vereadores da cidade por corrupção.

Os ex-parlamentares são acusados de receber propinas para favorecer empresários em leis municipais. As penas variam até 12 anos de prisão por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.

A investigação, que faz parte da Operação Legis Easy, começou em setembro de 2020, e revelou um esquema de corrupção que envolvia contratos com órgãos municipais de saúde e saneamento.

Mauro Luiz, um dos ex-vereadores, é apontado como o principal articulador do esquema.

Segundo a investigação, Mauro controlava as finanças do grupo criminoso, distribuindo lucros e se apropriando de parte deles. A suspeita surgiu após ele registrar um boletim de ocorrência por uma compra atípica de veículos, onde gastou R$ 314 mil, apesar de seu salário de R$ 12.163,65.

Joel Leonel Zeferino, empresário da construção civil, também foi apontado com envolvimento no caso. Ele é acusado de fazer repasses financeiros a Mauro Araújo. Os contratos suspeitos incluem a construção de moradias populares em Mogi das Cruzes.

Outros ex-vereadores também receberam propinas para apoiar as ações de Mauro Araújo. Segundo a sentença, eles se beneficiaram financeiramente das empresas ligadas ao esquema.

Conversas interceptadas pelo Ministério Público mostram a operação do esquema. Em uma delas, Mauro Araújo discute sobre a troca de uma empresa de limpeza em um hospital local e em outra, promete repasse de dinheiro a um colega, o ex-vereador ‘Pastor Evaristo’.

Foram condenados:

– Mauro Luiz Claudino de Araújo – ex-vereador, hoje suplente – condenado a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão por organização criminosa, corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro;

– Francisco Moacir Bezerra de Melo Filho, o ‘Chico Bezerra’ – ex-vereador e ex-secretário de Saúde, hoje suplente de vereador – condenado a seis anos, dez meses e 20 dias de prisão por organização criminosa e corrupção;

– Carlos Evaristo da Silva, ‘Pastor Evaristo’ – ex-vereador – condenado a seis anos, dez meses e 20 dias de prisão por organização criminosa e corrupção passiva;

– Antonio Lino da Silva – ex-vereador – condenado a seis anos, dez meses e 20 dias de prisão por organização criminosa e corrupção passiva;

– Jean Carlos Soares Lopes, o ‘Negão’ – ex-vereador – condenado a cinco anos e onze meses de prisão por organização criminosa e corrupção passiva;

– Diego Martins, o ‘Diegão’ – ex-vereador – condenado a cinco anos, oito meses e 20 dias de prisão por organização criminosa e corrupção passiva;