Farpas

Emendas Pix: Pacheco rebate críticas de Gleisi Hoffmann; ‘não sou autor nem relator’

O posicionamento do presidente do Senado veio após a petista o criticar nas redes sociais

acessibilidade:
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). (Foto: Reprodução/TV Senado).

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), rebateu as críticas da deputada federal e presidente do PT Gleisi Hoffmann (PR), sobre Projeto de Lei Complementar, que torna obrigatória a execução das emendas parlamentares apresentadas por comissões permanentes da Câmara, Senado e Congresso.

“Não sou autor e nem relator do projeto referido pela deputada, que deve ser discutido na comissão própria. Lembro que na LDO do ano passado ponderei aos colegas que não colocássemos a impositividade nas emendas de relator, no que fui atendido”, rebateu Pacheco.

O posicionamento do presidente do Senado veio após a petista o criticar nas redes sociais alegando que o projeto contradiz o discurso de Pacheco em favor do equilíbrio fiscal.

“Se o Senado quer mesmo contribuir para o equilíbrio fiscal, como disse ontem o presidente Rodrigo Pacheco, o pior caminho é o projeto de lei que torna obrigatório o pagamento de emendas de comissões. O papel de executar o Orçamento é do Executivo, de forma planejada, pensando no país. O projeto que está na CAE do Senado visa abocanhar alguns bilhões da União para atender interesses individuais”, criticou Gleisi.

Pacheco afirmou ainda também que defende a limitação do fundo eleitoral e o aprimoramento das chamadas “emendas Pix”.

“Reitero meu compromisso com a responsabilidade fiscal e o equilíbrio das contas públicas, o que passa, inclusive, pela limitação do fundo eleitoral e o aperfeiçoamento das ‘emendas Pix’, criadas pela deputada”, acrescentou.

As “emendas Pix” defendidas pela petista são repassadas diretamente ao município ou estadoque se beneficia delas e foram promovidas como um meio de simplificar a liberação de fundos.

Estabelecida em 2019, essa forma de distribuição de fundos é notória pela falta de transparência e pelos desafios que apresenta para a fiscalização por parte das autoridades reguladoras.

 

 

Reportar Erro