Palácio do Buriti

Governo do DF apresenta ações de segurança viária para ONU e Banco Mundial

Durante o encontro foram apresentadas as estatísticas que mostram a queda de óbitos nas vias do Distrito Federal

acessibilidade:
O enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para Segurança Viária, Jean Todt, e o especialista em transportes do Banco Mundial, Carlos Bellas Lamas Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Representantes da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), estiveram reunidos com o enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para Segurança Viária, Jean Todt, e o especialista em transportes do Banco Mundial, Carlos Bellas Lamas para apresentar as ações de segurança viária adotadas pelo Governo do Distrito Federal.

Durante o encontro, foram expostas as estatísticas que mostram a queda de óbitos nas vias do Distrito Federal. De acordo com os dados, no primeiro semestre de 2023, as mortes caíram 16,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

De janeiro a junho de 2023, foram contabilizadas 118 mortes no trânsito. Já no ano passado, o número de acidentes fatais ficou em 141.

 A redução marca o sucesso do Brasília Vida Segura, programa de segurança viária que segue diretrizes da ONU e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Após elogiar o trabalho desenvolvido no Distrito Federal para tratar da segurança viária, o conselheiro apresentou uma campanha da ONU voltada para educação no trânsito, que será veiculada em 80 países e contou com a participação de 14 celebridades mundiais. 

“Eu realmente espero que essa campanha também possa ter um forte efeito na cidade”, ressaltou Todt.

A importância das ciclovias, espalhadas por todo o DF, foi reconhecida como ferramenta para o fortalecimento da mobilidade urbana pelo especialista do Banco Mundial, Carlos Bellas Lamas.

A chefe da Assessoria de Segurança Viária da Semob, Júlia Jeveaux, destacou que para a segunda Década de Ações pela Segurança no Trânsito, que vai de 2021 a 2030, “temos como meta estipulada pela ONU a redução de 50% do atual número de óbitos.”

Reportar Erro